4º Domingo da Quaresma – Ano B

“Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho Unigénito”

O Evangelho de São João deste 4º Domingo da Quaresma (Ano B), chama a atenção para o Amor infinito de Deus manifestado na cruz de Jesus. Diante do Crucificado por Amor não podemos fugir relativamente a uma escolha da qual depende a nossa salvação ou a nossa condenação: “Quem acredita n’Ele não é condenado, mas quem não acredita já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho Unigénito de Deus. E a causa da condenação é esta: a luz veio ao mundo e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque eram más as suas obras”.

Esta é a razão da “loucura” de Deus: “Tanto amou Deus o mundo, que entregou o seu Filho Unigénito, a fim de que todo o que nele crê não se perca, mas tenha a vida eterna”. Não se trata de uma frase mais, que poderia ser eliminada do Evangelho sem que nada de importante acontecesse. Esta afirmação expressa o essencial da fé cristã. Este amor de Deus é a origem e o fundamento da nossa esperança. Deus ama o mundo, ama-o tal como é: inacabado e incerto, cheio de conflitos e contradições, capaz do melhor e do pior.

Jesus é o “presente” que Deus Pai dá ao mundo. Só quem se aproxima de Jesus Cristo como o maior dom do Pai, pode fazer a descoberta de como Deus está próximo de cada um de nós. “Com efeito, Deus amou de tal modo o mundo, que lhe deu o seu Filho único (Jo 3, 16)… A Cruz de Cristo é a prova suprema da misericórdia e do amor de Deus por nós: Jesus amou-nos «até ao fim» (Jo 13, 1), ou seja, não apenas até ao último instante da sua vida terrena, mas até ao extremo limite do amor” (Papa Francisco).

A contemplação do Crucificado impele-nos à conversão do medo para a confiança e também à construção e vivência da “cultura da confiança” que tem o alicerce e a força na ternura de Deus, para que o nosso agir seja cada vez mais qualitativamente “segundo Deus”.

Como conclusão, podemos afirmar que a missão de Jesus é uma missão de salvação para todos. Quem crê em Jesus crucificado é curado do pecado e vive. Diante dele não se pode ficar indiferente mas somos “obrigados” a fazer uma escolha. O julgamento é sempre consequência da livre escolha que cada um faz. Quem anda na luz, quem se aproxima da luz, só pode fazer boas obras.

 

Abrir

Quaresma com Santa Teresa de Jesus – 6

ORAR EM CADA DIA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA 2021

Segunda feira – Ore com confiança

Jesus disse-lhes: Se não virdes sinais extraordinários e prodígios não acreditais. (Jo 4,48).

Oh! valha-me Deus! Quão diferente coisa é ouvir estas palavras e crer nelas, ou entender por este modo quão verdadeiras são! (Sétimas Moradas 1,7).

Senhor, que o meu clamor suba até ti! Vem em auxílio da minha fé vacilante.

Terça-feira – Somos filhos de Deus

Aonde quer que esta água chegar tornar-se-á salubre; e a vida desenvolver-se-á por toda a parte onde ela chegar. (Ez 47, 9b).

Ó vida, que a dais a todos! Não me negueis esta água dulcíssima que prometeis aos que a querem. Eu quero-a Senhor, peço-a e venho a vós. Não vos escondais, Senhor, de mim, pois sabeis a minha necessidade e que ela é a verdadeira medicina da alma… (Exclamações IX).

Agradeço-te Senhor pelo meu baptismo. Que eu saiba viver como filho da luz!

Quarta-feira – Ore pelos outros

Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não é sujeito a julgamento, mas passou da morte para a vida. (Jo 5, 24).

Pensar na glória que esperamos, no amor que o Senhor nos teve, e na Sua ressurreição, conduz-nos à alegria. Esta alegria, que não é puramente espiritual nem sensível, é pura, e a pena muito meritória. (Livro da Vida 12,1).

Rezo por aqueles que não acreditam na vida eterna junto de Deus.

Quinta-feira – A imensa misericórdia de Deus

Moisés implorou ao Senhor, seu Deus, dizendo-lhe: «Porquê, Senhor, a tua cólera se inflamará contra o teu povo? (Ex 32, 11).

Oh imensa bondade e complacência de Deus! Vós não reparais nas palavras, mas aos desejos e amor com que se dizem! Como permitis que uma criatura como eu fale tão atrevidamente a Sua Majestade. Bendito sejais pelos séculos sem fim. (Livro da Vida 34,9).

Senhor, purifica-me do meu pecado e cantarei eternamente a tua misericórdia.

Sexta-Feira – Solenidade de São José

Foi com uma esperança, para além do que se podia esperar, que ele acreditou. (Rm 4, 18).

Este glorioso S. José socorre-nos em todas as circunstâncias. O Senhor quer, desta maneira, dar-nos a entender o seguinte: assim como Ele lhe obedeceu na terra – se lhe chama pai, embora adotivo, é porque S. José podia mandar nele – assim também no céu faz tudo quanto lhe pede. Outras pessoas, a quem eu pedia para se encomendarem a ele, também por experiência atestam o mesmo. (Livro da Vida 6,6).

São José, neste dia nós te confiamos todas as famílias da Terra.

Sábado – Aprofundar os Evangelhos

Nunca nenhum homem falou assim. (Jo 7, 46).

Sua Majestade tem sido o verdadeiro livro onde tenho visto as verdades. Bendito seja tal livro, que deixa impresso o que se há de ler e fazer, de maneira a não se poder esquecer! (Livro da Vida, 26,5).

Que palavras do Evangelho me acompanharão ao longo deste dia?

Abrir

Três graças a pedir

Oh Senhor, dá-me tudo o que me conduz a Ti. Oh Senhor, tira-me tudo o que me afasta de Ti. Oh Senhor, livra-me de mim mesma e entrega-me inteiramente a Ti.
Estas são três graças, a última a maior de todas e inclui as outras duas; mas, (…) há que pedi-las com insistência.

Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein)

Abrir

Oração a São José

Oração a São José

São José, Pai amado,
Esposo virginal de Maria
e Pai adoptivo de Jesus,
tu és anunciador dos tempos novos.
Como Maria, disponibilizaste-te,
para que Deus fizesse em ti e por ti,
o que quisesse, em vista da nossa salvação,
em dom total da tua pessoa, da tua vida,
de todas as tuas capacidades,
do teu coração e do teu trabalho,
à vontade de Deus e à Sagrada Família de Nazaré.
Agradecido, o povo cristão responde,
de muitas e variadas formas,
ao teu amor com o seu amor.
A sua confiança é tão grande,
que convictamente diz: “Ide a José”,
pois nada recusas a quem recorre a ti,
ó poderoso advogado e intercessor.
São José, Pai amado, rogai por nós.
Amen.

 

Abrir

Quaresma com Santa Teresa de Jesus – 5

ORAR EM CADA DIA DA 3ª SEMANA DA QUARESMA 2021

Segunda-feira da 3ª semana da Quaresma – Fonte de água viva

A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo, quando irei contemplar a face de Deus? (Sl 41,3).

O Senhor ensinou-vos o caminho e a mim que escrevesse… como devem comportar-se uma vez chegadas a esta fonte de água viva e o que a alma ali sente e como Deus a satisfaz plenamente e lhe tira a sede das coisas deste mundo, e a faz crescer nas coisas do serviço de Deus. (Caminho de Perfeição, cód. Escorial 73,5).

Jesus, como um mendigo suplico o teu auxílio, a tua presença e a tua graça.

Terça-feira da 3ª semana da Quaresma – Um caminho de conversão

E agora Vos seguimos de todo o coração, Vos tememos e buscamos o vosso rosto. (Dn 3,41).

Olhos fixos n’Ele e não haja medo de que se ponha este Sol da Justiça, nem que nos deixe caminhar de noite para nos perdermos, se nós primeiro não O deixamos a Ele. (Vida 35,14).

Com os olhos fixos no Senhor, quero avançar resolutamente no meu caminho de conversão.

Quarta-feira da 3ª semana da Quaresma – Juntos em Comunhão

Qual é, na verdade, a nação que tem a divindade tão perto de si, como está perto de nós o Senhor nosso Deus, sempre que O invocamos? (Dt 4, 7).

Quer Deus, por Sua grandeza, que esta alma entenda que Sua Majestade está tão perto dela que já não tem necessidade de enviar mensageiros, mas somente de falar – ela mesma – com Ele… (Vida 14,5).

Porquê procurar-Te noutro sítio, quando estás presente em mim e nos outros?

Quinta-feira da 3ª semana da Quaresma – Contemplar

Escutai a minha voz, e Eu serei o vosso Deus e vós sereis o meu povo. Segui sempre a senda que vos indicar, a fim de que sejais felizes (Jr 7, 23).

Ó Senhor! Que todo o dano nos vem de não ter os olhos postos em Vós, que, se não olhássemos a outra coisa senão o caminho, depressa chegaríamos; mas damos mil quedas e tropeçamos e erramos o caminho por não pôr os olhos, como digo, no verdadeiro caminho. (Caminho de Perfeição 16,11).

Guarda os meus olhos fixos em ti Senhor, Tu, a nossa verdadeira felicidade!

Sexta-feira da 3ª semana da Quaresma – Alegria e liberdade

Curarei a sua infidelidade, amá-los-ei de todo o coração. (Os 14, 5).

Não me parece senão que a alma sai como o ouro do crisol, mais afinada e clarificada para ver em si o Senhor. (Vida 30,14).

Concede-me, Deus muito bom, encontrar no amor e na fidelidade, a alegria e a liberdade.

Sábado da 3ª semana da Quaresma – Prepare seu coração

Procuremos conhecer o Senhor: a sua vinda é certa como a aurora. Virá a nós como aguaceiro de outono, como a chuva da primavera sobre a face da terra. (Os 6, 3).

Começa já aqui neste mundo a dar-nos o Seu reino, para que deveras O louvemos e santifiquemos o Seu Nome e procuremos que todos o façam. (Caminho de Perfeição 31,1).

Assim como se prepara a terra para a primavera, prepara o meu coração para uma vida nova.

Abrir

3º Domingo da Quaresma – Ano B

Não façais da casa de meu Pai casa de comércio

A expulsão dos vendilhões do Templo, que nos evangelhos de Marcos, Mateus e Lucas ocorre no Domingo de Ramos, no evangelho de João vem no princípio, onde Jesus e a sua missão são apresentados.
Estamos perto da Páscoa. Por ocasião desta festa, Jerusalém, que tinha cerca de 55.000 habitantes, chegava a albergar 125.000 peregrinos, sacrificando-se no Templo uns 18.000 cordeiros pascais. Era nesta ocasião que o comércio relacionado com o Templo atingia o seu ápice. Três semanas antes da festa, começava a emissão de licenças para a instalação dos postos comerciais à volta do Templo, onde se vendiam os animais e outras coisas necessárias para os sacrifícios, e as mesas dos cambistas, onde se trocavam por moedas judaicas as moedas romanas, que, por terem a efígie do imperador, designado “divino”, não podiam circular no Templo. Todo este comércio era controlado por Anás, que conseguiu habilmente que todo o dinheiro arrecadado no Templo revertesse para a sua família e funcionários. Entretanto, a avidez de lucro levara-o a ocupar também o “Átrio dos gentios”, a zona do Templo destinada aos não judeus, transformando-a num “covil de ladrões” (Jr 7,11).
Ao ver o que passava diante dos seus olhos no Templo de Jerusalém, Jesus “Fez então um chicote de cordas e expulsou-os a todos do Templo, com as ovelhas e os bois; deitou por terra o dinheiro dos cambistas e virou-lhes as mesas; e disse aos que vendiam pombas: «Tirai estas coisas daqui; não façais da casa de meu Pai casa de comércio» ”.
Ao expulsar também do Templo as ovelhas, bois e pombas que serviam para os sacrifícios, Jesus não só propõe a reforma do culto, mas também a abolição dos sacrifícios, incapazes de renovar o homem. Desta forma, Jesus reivindica ser mais do que um profeta: ele é o próprio Filho de Deus que age em nome do Pai, defendendo os interesses do Pai sobre a terra. Por isso diz: “Não façais da casa de meu Pai casa de comércio”.
Com este gesto, Jesus entra em rota de colisão com a aristocracia sacerdotal de Jerusalém, os sumos-sacerdotes, do partido dos saduceus, precipitando a decisão da sua morte. Pedem a Jesus um “sinal” que demonstre que ele é o Messias. Jesus responde: “destruí este Templo e em três dias eu o levantarei”. Jesus desafia os líderes que o questionaram a suprimir o Templo que é ele próprio, mas deixa claro que, três dias depois, esse Templo estará outra vez erigido no meio dos homens. Jesus alude, evidentemente, à sua ressurreição, garantia de que Jesus vem de Deus.
Jesus é o «lugar» da adoração de Deus, a verdadeira «Casa de Deus», o Santuário de Deus. A presença de Jesus Ressuscitado no meio de nós é o nosso verdadeiro «Templo».

Palavra para o caminho

“Mas – perguntemo-nos, e cada um de nós se pode questionar: o Senhor sente-se deveras em casa na nossa vida? Permitimos que ele faça «limpeza» no nosso coração e afaste os ídolos, ou seja, aquelas atitudes de cupidez, ciúmes, mundanidade, inveja, ódio, aquele hábito de falar mal dos outros pelas «costas»? Permitimos-lhe que limpe todos os comportamentos contra Deus, contra o próximo e contra nós mesmos, como ouvimos hoje na primeira Leitura? Cada um pode responder a si mesmo, em silêncio, no seu coração” (Papa Francisco).

 

Abrir

O melhor jejum na Quaresma

1 – Jejum de palavras negativas e dizer palavras bondosas. 2 – Jejum de descontentamento e encher-se de gratidão. 3 – Jejum de raiva e encher-se de mansidão e paciência. 4 – Jejum de pessimismo e encher-se de esperança e optimismo. 5 – Jejum de preocupações e encher-se de confiança em Deus. 6 – Jejum de queixas e encher-se com as coisas simples da vida. 7 – Jejum de tensões e encher-se com orações. 8 – Jejum de amargura e tristeza e encher o coração de alegria. 9 – Jejum de egoísmo e encher-se com compaixão pelos outros. 10 – Jejum de falta de perdão e encher-se de reconciliação. 11 – Jejum de palavras e encher-se de silêncio para ouvir os outros.

Abrir

Audiência geral: A oração e a Trindade

A oração abre os nossos corações à Santíssima Trindade, àquele mar imenso que é Deus amor: um amor que se dilatou até chegar à nossa praia humana. Somos o receptáculo dum amor sem igual sobre a terra. E quem nos abriu o Céu e introduziu na relação com Deus, foi Jesus. Graças à sua humanidade, tornou-se manifesta e acessível aos homens a própria vida da Trindade. Vendo-O rezar a seu Pai, os discípulos pediram-Lhe: «Senhor, ensina-nos a rezar». É que não sabíamos sequer como rezar, ou seja, quais palavras, sentimentos e atitudes nossas poderiam ser apropriadas para Deus. O reconhecimento mais comovente desta pobreza da nossa oração encontra-se nos lábios daquele centurião romano que suplicou a Jesus a cura do servo gravemente doente. Não sendo judeu, antes fazendo parte do odiado exército de ocupação, o centurião sentia-se totalmente indigno de apresentar o pedido, mas a preocupação pelo servo fê-lo ousar: «Senhor, eu não sou digno de que entres debaixo do meu tecto; mas diz uma só palavra e o meu servo será curado» (Mt 8, 8). Fazemos idêntica oração em cada Eucaristia. Dialogar com Deus é uma graça: nós não somos dignos, não temos qualquer direito para o reivindicar… Jesus é uma porta que se nos abre! Com o exemplo da sua vida, Jesus fez-nos intuir um pouco do mistério da Trindade divina que é a origem e a alegria de todo o universo, convidou-nos a entrar naquele abismo de benevolência entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Verdadeiramente não podíamos esperar vocação mais alta: a humanidade de Jesus pôs à nossa disposição a vida da Santíssima Trindade (Papa Francisco, Audiência geral (resumo), 3 de Março, 2021).

 Texto completo da Audiência geral:

http://www.vatican.va/content/francesco/pt/audiences/2021/documents/papa-francesco_20210303_udienza-generale.html

Abrir

Quaresma: 15 actos simples e concretos de caridade

1 – Sorrir, um cristão é sempre alegre! 2 – Agradecer, embora não “precise” de fazê-lo. 3 – Lembrar ao outro quanto o ama. 4 – Cumprimentar com alegria as pessoas que vê todos os dias. 5 – Ouvir a história do outro, sem julgamento, com amor. 6 – Parar para ajudar. Estar atento a quem precisa de ti. 7 – Animar alguém. 8 – Reconhecer os sucessos e as qualidades do outro. 9 – Separar o que não usa e dar a quem precisa. 10 – Ajudar alguém para que ele possa descansar. 11 – Corrigir com amor, não calar por medo. 12 – Ter delicadezas com os que estão perto de ti. 13 – Limpar o que sujaste, em casa. 14 – Ajudar os outros a superar os obstáculos. 15 – Telefonar aos pais e outras pessoas.

Abrir

Quaresma com Santa Teresa de Jesus – 4

ORAR EM CADA DIA DA 2ª SEMANA DA QUARESMA 2021

 Segunda-feira da 2ª semana da Quaresma – A graça do perdão

Não julgueis e não sereis julgados. Não condeneis e não sereis condenados. Perdoai e sereis perdoados. (Lc 16, 37).

…parece-me que perdoaria [qualquer coisa] para Vós me perdoardes a mim, ou para cumprir a vossa vontade sem condições. Mas, não sei o que faria na realidade se me condenassem sem culpa. (C.P, Ms Escorial 63, 2).

Tu, Senhor, perdoas sempre… e eu ? Quem é que espera pelo meu perdão hoje?

Terça-feira da 2ª semana da Quaresma – Caridade entre irmãos e irmãs

Aprendei a fazer o bem. Respeitai o direito, protegei o oprimido, fazei justiça ao órfão, defendei a causa da viúva. (Is 1,17).

Não está a perfeição nos gostos, nem no prémio, senão em quem mais ama e em quem melhor opera com justiça e verdade. (3 M 2, 10).

Tu, a esperança dos homens, sê-o de todos os meus encontros quotidianos.

Quarta-feira da 2ª semana da Quaresma – Eu sou o servo do Senhor

O Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e dar a vida pela redenção dos homens. (Mt 20, 28).

A alma estimar-se-á feliz por ser a serva das servas do Senhor. (C.P. Ms Escorial 27, 1).

Estou pronto(a) a pôr o avental de serviço?

Quinta-feira da 2ª semana da Quaresma – Passe um tempo com Ele

Bendito o homem que confia no Senhor e põe no Senhor a sua esperança. (Jr 17, 7).

Começou a crescer em mim a disposição de estar mais tempo com Ele e a tirarem-se-me dos olhos as ocasiões; porque, uma vez afastadas estas, logo voltava a amar Sua Majestade. (Vida 9,9).

Jesus, tenho confiança em Ti ! Guarda-me na tua mão.

Sexta-feira da 2ª semana da Quaresma – Obrigado Senhor!

Disse-lhes Jesus: «Nunca lestes na Escritura: a pedra rejeitada pelos construtores tornou-se pedra angular; tudo isto veio do Senhor, é admirável aos nosso olhos?» (Mt 21, 42).

O Senhor saiu glorioso do campo de batalha onde ganhou um imenso reino que quer todo para vós, ao mesmo tempo que Se vos dá Ele mesmo. Acaso será muito que eleveis de quando em quando os olhos para Aquele que vos faz um tal dom? (C. P. Ms Escorial 42,4).

Jesus alcançou-nos a salvação. Saberei eu exprimir-Lhe o meu reconhecimento e o meu amor?

Sábado da 2ª semana da Quaresma – A presença d’Ele no meu coração

Ele voltará a ter piedade de nós, pisará aos pés as nossas faltas, lançará para o fundo do mar todos os nossos pecados. (Miq 7, 19).

Bendito sejais para sempre, pois, embora eu Vos deixasse, Vós não me deixastes a mim tão de todo que não me tornasse a levantar com o dardes-me sempre a mão. E muitas vezes, Senhor, eu não a queria, nem queria entender como tantas vezes me chamáveis de novo. (Vida 6, 9).

Senhor, no meu coração queria que Tu fosses o maior de todos.

Abrir