Com licença, deixem-me entrar

Com licença, amigos! Será que posso entrar? Eu sou a Criança de que tantos falam neste tempo, o Menino Jesus… a criança indefesa e frágil que já pediu a colhimento e protecção no seio de Maria, Nossa Senhora.

Hoje apresento-me de novo a vós, sempre da mesma forma, sempre como criança, para que ninguém tenha medo de mim, para que ninguém me confunda com um ladrão ou um cobrador de impostos.

Para dizer a verdade, eu nem saberia de que outra forma mais amigável me poderia apresentar. Até porque sei que vós adorais as crianças! “Elas são a nossa maior riqueza”, dizeis!

No entanto lembro-me de uma noite em que me fechastes a porta, não me quisestes receber, não tínheis lugar para mim nas vossas casas! Não é possível dizer-vos como fiquei triste! Mas isso já foi há muito tempo!

Hoje certamente isso não vai acontecer. Hoje as pessoas são mais civilizadas, não abandonam as crianças… Hoje certamente não precisarei de uma gruta para nascer!

Então, amigos, com licença, vou entrar! Vou nascer nas vossas casas, iluminar os vossos lares, partilhar o meu amor com todos!

Mas se vos parecer que estou a perturbar, não há problemas, vou-me embora. Hoje também haverá alguma gruta ou uma barraca pobre onde possa nascer! E não vai faltar ocasião para a gente se encontrar de novo. Não vos preocupeis, eu voltarei, eu volto sempre!

Acho que vale a pena voltar. Acho que não podemos desistir de amar, desistir de levar a paz às famílias, um abraço amigo aos desanimados, um gesto de perdão ao pecador! Eu volto sempre, mesmo correndo o risco de ser uma vez mais rejeitado, abandonado, crucificado.

Sim, meus amigos, mesmo arriscando a vida, eu voltarei. Vós sabeis que só quem não ama não volta mais…

Uma coisa, porém, tem de ficar bem clara: se não me convidardes, eu nunca entrarei em vossas casas. Não quero arrombar portas, prefiro que elas se abram por dentro.

E onde encontraria eu a força para arrombar as vossas portas?

Sou apenas uma Criança…

Com licença, amigos, deixem-me entrar!

Pe. Virgílio, Ssp.

 

“Caminhos Carmelitas” envia a todos os seus Amigos e Familiares os melhores votos de um Santo e Feliz Natal vivido na Paz de Deus.

Abrir

A porta é a oração

O verdadeiro amante em toda a parte ama e sempre se lembra do amado. Triste coisa seria que só pelos cantos do mosteiro se pudesse fazer oração.

A nossa alma é como um castelo, todo de diamante ou límpido cristal… No centro está Deus. A porta para entrar é a oração. Se nos lembrássemos que temos dentro de nós tal Hóspede, não o deixaríamos tantas vezes a sós.

Santa Teresa de Jesus

Abrir

Deus está em ti

Pensa que a tua alma é o templo de Deus, pois a todo instante do dia e da noite as três Pessoas Divinas habitam em ti. Quando se tem consciência disto, entra-se numa intimidade verdadeiramente adorável porque não estamos sozinhos.

Santa Isabel da Trindade

Abrir

A morte do cristão

A morte não pode resultar amarga para a alma que ama, já que nela encontra toda a doçura e o deleite do amor. A alma goza da morte como se estivesse a pensar no seu noivado ou no seu matrimónio, por isso deseja o dia e a hora da sua morte.

São João da Cruz

Abrir

Oração à Imaculada Conceição

Virgem Santíssima, que fostes concebida sem o pecado original e por isso merecestes o título de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, e por terdes evitado todos os outros pecados o Anjo Gabriel vos saudou com as belas palavras: “Ave Maria, cheia de graça”, nós vos pedimos que nos alcanceis do vosso divino Filho o auxílio necessário para vencermos as tentações e evitarmos os pecados e, já que vos chamamos de Mãe, atendei-nos com carinho maternal e ajudai-nos a viver  como dignos filhos vossos.

Abrir

Indiferença salutar

Quando a alma chega a não prestar atenção aos louvores, cada vez menos presta atenção às críticas. A crítica fortalece a alma, a qual vai adquirindo um particular e terno amor cada vez maior para com os seus perseguidores.

Santa Teresa de Ávila

Abrir

Maria acolhe a Palavra

Nos dois primeiros capítulos do seu evangelho, Lucas apresenta Maria como modelo para a vida das comunidades. A chave é-nos dada por aquele episódio em que uma mulher do povo elogia a mãe de Jesus ao dizer: “Felizes as entranhas que te trouxeram e os seios que te amamentaram” (Lc 11, 27). Jesus modifica o elogia e diz: “Felizes, antes, os que escutam a Palavra de Deus e a põem em prática” (Lc 11, 28). Aqui está a grandeza de Maria. É no modo como Maria se refere à Palavra de Deus que as comunidades contemplam a maneira mais correcta de se relacionar com a Palavra de Deus: acolhê-la, encarná-la, vivê-la, aprofundá-la, ruminá-la, fazê-la nascer e crescer, deixar-se plasmar por ela, mesmo quando não se entende ou faz sofrer.

No início do ano litúrgico, os Irmãos da Ordem do Carmo (Carmelitas) partilham algumas reflexões sobre a Palavra de Deus que nos é proposta a cada domingo.

Visitem e que seja útil à vossa Leitura Orante da Palavra (Lectio Divina): http://www.ordem-do-carmo.pt/

Abrir

São José, um pai atento

A outros Santos parece ter dado o Senhor graça para socorrer numa determinada necessidade. Ao glorioso São José tenho experiência de que socorre em todas.

Santa Teresa de Jesus

Abrir