Caminhar com Maria – XIV

MARIA, MÃE DO AMOR FORMOSO

Peçamos a Maria, nossa Mãe, que ande sempre ao nosso lado. Se Maria ficar perto de nós, poderemos conservar sempre Jesus em nossos corações, de modo que nos será possível amá-lo e servi-lo nos pobres mais pobres (MADRE TERESA DE CALCUTÁ).

O amor é o que explica a vida de Maria. Um amor levado até ao extremo, até ao esquecimento completo de si mesma, alegre por estar ali, onde Deus quer, e cumprindo com esmero a vontade divina. Isto é o que faz com que o seu mais pequeno gesto nunca seja banal, mas manifesta-se cheio de conteúdo. Maria, nosso Mãe, é para nós exemplo e caminho. Devemos procurar ser como ela, nas circunstâncias concretas nas quais Deus quer que vivamos.

Para a oração: Saúda Maria, pensa em Maria, repete o nome de Maria, honra Maria, glorifica sempre Maria, dirige o teu olhar a Maria, recolhe-te na tua habitação com Maria, cala com Maria, alegra-te com Maria, entristece-te com Maria, trabalha com Maria, vigia com Maria, ora com Maria, caminha com Maria, descansa com Maria, procura Jesus com Maria, leva Jesus nos teus braços com Maria, vive em Nazaré com Jesus e Maria, vê Jerusalém com Maria, permanece ao pé da cruz de Jesus com Maria, deseja viver e morrer com Jesus e Maria. Faz isto e viverás eternamente (Tomás de Kempis).

Abrir

Nascimento de São João Baptista

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas (Lc 1, 57-66.80)

Entretanto, chegou o dia em que Isabel devia dar à luz e teve um filho. Os seus vizinhos e parentes, sabendo que o Senhor manifestara nela a sua misericórdia, rejubilaram com ela. Ao oitavo dia, foram circuncidar o menino e queriam dar-lhe o nome do pai, Zacarias. Mas, tomando a palavra, a mãe disse: “Não; há-de chamar-se João”. Disseram-lhe: “Não há ninguém na tua família que tenha esse nome”. Então, por sinais, perguntaram ao pai como queria que ele se chamasse. Pedindo uma placa, o pai escreveu: “O seu nome é João”. E todos se admiraram. Imediatamente a sua boca abriu-se, a língua desprendeu-se-lhe e começou a falar, bendizendo a Deus. O temor apoderou-se dos seus vizinhos, e por toda a montanha da Judeia se divulgaram estes factos. Quantos os ouviam retinham-nos na memória e diziam para si próprios: “Quem virá a ser este menino?”. Na verdade, a mão do Senhor estava com ele. Entretanto, o menino crescia, o seu espírito robustecia-se, e vivia em lugares desertos, até ao dia da sua apresentação a Israel.

Para ter acesso ao comentário do XII Domingo do Tempo Comum, ano B, Solenidade do Nascimento de São João Baptista, consulte: http://www.ordem-do-carmo.pt/

Abrir

Caminhar com Maria – XIII

MARIA É O CAMINHO PARA JESUS

A Jesus por Maria. Não há outro caminho (PIO XII).

Quem se aproxima de Maria e contempla a sua vida, Maria faz-lhe sempre o imenso favor de o levar à Cruz e de o colocar diante do exemplo do Filho de Deus. Nesse confronto decide-se a vida cristã que culmina na reconciliação com o irmão pobre e com o Filho Primogénito do Pai. Muitas conversões, muitas decisões de entrega ao serviço de Deus foram precedidas de um encontro com Maria. Nossa Senhora fomentou o desejo de busca, activou maternalmente as motivações da alma, fez aspirar à mudança, a uma vida nova. E assim o Fazei o que Ele vos disser converteu-se em realidade amorosa de entrega, em vocação cristã que ilumina desde então toda a nossa vida pessoal .

Oração: Contigo, Virgem Santa, tudo é fácil. Em ti ponho toda a minha confiança. Por ti procuro e encontro Jesus. Uma terna e verdadeira devoção a ti é o grande meio e segredo para adquirir a Sabedoria – Cristo morto e ressuscitado. Tu, Maria, és a árvore da vida e Jesus o único e bendito fruto. Quem quiser ter o teu filho Jesus deve ter-te a ti, Maria, minha Mãe.

Abrir

Caminhar com Maria – XII

MARIA, NOSSA MÃE

No Céu, Maria conhece em Deus cada um dos seus filhos. Primeiro, começou por amá-los em seu Filho com um amor universal, mas indistinto; depois, na visão beatífica, conhece cada um de modo pessoal e certo, com um conhecimento maternal mais profundo do que o de qualquer outro santo (RENÉ LAURENTIN).

Faz, se ainda não o fizeste, a tua experiência do amor materno de Maria. Não basta saber que ela é Mãe, considerá-la deste modo, falar assim dela. É tua Mãe e tu és seu filho; quer-te como se fosses o seu filho único neste mundo. Consequentemente trata-a como tal: conta-lhe tudo o que se passa, honra-a, deseja-a. Ninguém o fará por ti, tão bem como tu, se tu não o fazes.

Oração: Ó Senhora minha, ó minha Mãe, eu me ofereço todo a vós e, em prova de minha devoção para convosco, vos consagro neste dia e para sempre, os meus olhos, os meus ouvidos, a minha boca, o meu coração e todo o meu ser. E já que sou vosso, ó incomparável Mãe, guardai-me e defendei-me como propriedade vossa. Amen.

Abrir

XI Domingo do Tempo Comum (B)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos (Mc 4, 26-34)

Dizia ainda: “O Reino de Deus é como um homem que lançou a semente à terra. Quer esteja a dormir, quer se levante, de noite e de dia, a semente germina e cresce, sem ele saber como. A terra produz por si, primeiro o caule, depois a espiga e, finalmente, o trigo perfeito na espiga. E, quando o fruto amadurece, logo ele lhe mete a foice, porque chegou o tempo da ceifa”. Dizia também: “Com que havemos de comparar o Reino de Deus? Ou com qual parábola o representaremos? É como um grão de mostarda que, ao ser deitada à terra, é a mais pequena de todas as sementes que existem; mas, uma vez semeado, cresce, transforma-se na maior de todas as plantas do horto e estende tanto os ramos, que as aves do céu se podem abrigar à sua sombra”. Com muitas parábolas como estas, pregava-lhes a Palavra, conforme eram capazes de compreender. Não lhes falava senão em parábolas; mas explicava tudo aos discípulos, em particular.

Para tomar contacto com o comentário do XI Domingo do Tempo Comum, Ano B, consulte: http://www.ordem-do-carmo.pt/

Abrir

Caminhar com Maria – XI

MARIA, AUXÍLIO DOS CRISTÃOS

Se Maria, que é a árvore da vida, for bem cultivada na nossa alma com fidelidade e devoção, esta a seu tempo dará o seu fruto: Jesus Cristo (S. LUIS GRIGNION DE MONTFORT).

Somos ainda peregrinos mas Nossa Senhora mostra-nos já o termo do caminho: diz-nos que é possível chegar e que, se formos fiéis, chegaremos à meta. Porque a Santíssima Virgem não só é nosso exemplo: é também auxílio dos cristãos. Ela não quer negar-se a cuidar dos seus filhos com solicitude maternal.

Oração: Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que têm recorrido à Vossa protecção, implorado a Vossa assistência e reclamado o Vosso socorro, fosse por Vós desamparado. Animado eu, pois, com igual confiança, a Vós, Virgem entre todas singular, como a Mãe recorro, de Vós me valho e, gemendo sob o peso dos meus pecados, me prostro a Vossos pés. Não desprezeis as minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus humanado, mas dignai-Vos de as ouvir propícia e de me alcançar o que Vos rogo. Amen.

Abrir

Caminhar com Maria – X

MARIA, RAINHA DOS APÓSTOLOS

Maria foi a conselheira, a consoladora, a alma da Igreja que crescia no meio das perseguições. Certamente a casa de João, pela presença dela, tornou-se o lugar privilegiado nos momentos de desorientação e nas decisões importantes (INÁCIO LARRAÑAGA).

Se caminharmos com a nossa mão na mão da Virgem Santíssima, ela fará com que nos sintamos irmãos de todos os homens porque todos somos filhos de Deus do qual ela é Filha, Esposa e Mãe. Os problemas do nosso próximo deverão ser os nosso problemas. A fraternidade cristã deve estar bem funda na alma, de maneira que ninguém nos seja indiferente. Maria, Mãe de Jesus, que o criou, educou e o acompanhou durante a sua vida terrena e agora está junto dele no céu, ajudar-nos-á a reconhecer Jesus que passa ao nosso lado, que se nos torna presente nas necessidades dos nossos irmãos.

Oração: Senhor, Pai santo, Deus eterno e omnipotente, é verdadeiramente nosso dever, é nossa salvação dar-vos graças, sempre e em toda a parte, na memória da Virgem Santa Maria, Rainha dos Apóstolos, que os precedeu no anúncio de Cristo.

Conduzida pelo Espírito Santo, levou pressurosa Cristo ao Precursor, como mensageira celeste de santificação e alegria; movida pelo mesmo Espírito, Pedro e os outros Apóstolos, anunciaram com ardor a todos os povos o Evangelho, como fonte de salvação e de vida.

Também agora a Santíssima Virgem precede com o seu exemplo os arautos do Evangelho, anima-os com o seu amor e ampara-os com a sua contínua intercessão, para que anunciem Cristo Salvador a todos os povos.

Por isso, com os Anjos e os Santos, proclamamos a vossa glória cantando numa só voz: Santo, santo, santo, Senhor Deus do Universo, o céu e a terra proclamam a vossa glória. Hossana nas alturas. Bendito o que vem em nome do Senhor. Hossana nas alturas.

Abrir

Solenidade do Corpo de Deus

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos (Mc 14, 12-16.22-26)

No primeiro dia dos Ázimos, em que se imolava o cordeiro pascal, os discípulos perguntaram a Jesus: «Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?». Jesus enviou dois discípulos e disse-lhes: «Ide à cidade. Virá ao vosso encontro um homem com uma bilha de água. Segui-o, e onde ele entrar, dizei ao dono da casa: «O Mestre pergunta: ‘Onde está a sala, em que hei-de comer a Páscoa com os meus discípulos?’. Ele vos mostrará uma grande sala no andar superior, alcatifada e pronta. Preparai-nos lá o que é preciso». Os discípulos partiram e foram à cidade. Encontraram tudo como Jesus lhes tinha dito e prepararam a Páscoa. Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, recitou a bênção e partiu-o, deu-o aos discípulos e disse: «Tomai: isto é o meu corpo». Depois tomou um cálice, deu graças e entregou-lho. E todos beberam dele. Disse Jesus: «Este é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado pela multidão dos homens. Em verdade vos digo: não voltarei a beber do fruto da videira, até ao dia em que beberei do vinho novo no reino de Deus». Cantaram os salmos e saíram para o monte das Oliveiras.

Para aceder ao comentário da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, Ano B, consulte: http://www.ordem-do-carmo.pt/

Abrir

Caminhar com Maria – IX

 

A ORAÇÃO DE MARIA

 Admiro a paz com que Maria olhava para tudo. Até mesmo as coisas mais comuns eram divinizadas porque a Virgem Santíssima permanecia sempre adoradora do Deus de todos os dons. E isso nunca a impedia de doar-se inteiramente na vida exterior, desde que fosse solicitada pela caridade (BEATA ISABEL DA TRINDADE)

Supliquemos hoje a Santa Maria que nos torne contemplativos, que nos ensine a compreender as contínuas chamadas que o Senhor dirige à porta do nosso coração. Roguemos-lhe: Nossa Mãe, trouxeste Jesus à terra, para nos revelar o amor de Deus, ajuda-nos a reconhecê-lo nas actividades de cada dia. Renova a nossa inteligência e a nossa vontade para que saibamos escutar a voz de Deus, o impulso da graça.

Oração: Eu te invoco, ó Deus de verdade, em Quem, de Quem e para Quem existe toda a verdade. Deus, se fugirmos de Ti caímos, se voltarmos para Ti ressurgimos, se permanecemos em Ti, construímo-nos solidamente. Deus, ninguém Te perde, se não se deixar enganar, ninguém Te procura, se não for ajudado pela graça, ninguém Te encontra se não se purificar. Deus, abandonar-Te é morrer, esperar em Ti é amar-Te, intuir-Te é possuir-Te. Deus, para Quem a fé nos conduz, a Quem nos eleva a esperança, a Quem nos une a caridade. Deus, o único por Quem podemos vencer o nosso inimigo, torna-nos dignos de sermos escutados.

Abrir

Domingo da Santíssima Trindade

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 28, 16-20)

Naquele tempo, os Onze discípulos partiram para a Galileia, em direcção ao monte que Jesus lhes indicara. Quando O viram, adoraram-n’O; mas alguns ainda duvidaram. Jesus aproximou-Se e disse-lhes: «Todo o poder me foi dado no Céu e na terra. Ide e ensinai todas as nações, baptizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-as a cumprir tudo o que vos mandei. Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos».

Para aceder ao comentário do Domingo da Santíssima Trindade, Ano B, consulte: http://www.ordem-do-carmo.pt/

Abrir