Nove dias com Maria – VI

6º Dia: MARIA, INFATIGÁVEL BUSCADORA DE DEUS

À escuta da Palavra: O encontro de Jesus no Templo (Lc 2, 41-50).

Reflexão: Maria e José estão angustiados pela perda do seu Filho Jesus. Põem-se a caminho para o buscar e encontram-no três dias depois. Também na nossa vida Jesus parece que se esconde e nos deixa sós. Que fazemos? Desesperamos? Voltamo-nos para outros bens? Ou pômo-nos a caminho para encontrar Jesus para não o perder jamais? Maria e José ensinam-nos a ser buscadores de Deus porque fomos feitos para Ele e o nosso coração anda inquieto enquanto não repousar em Deus (Santo Agostinho).

Compromisso: Orar mais nos momentos em que nos parece que Jesus nos deixou.

Abrir

Nove dias com Maria – V

5º Dia: MARIA, MULHER DA OFERENDA

À escuta da Palavra: Apresentação de Jesus no Templo (Lc 2, 22-32).

Reflexão: Experimentemos ser espectadores deste episódio. Maria, José e Jesus, uma família, que se dirige ao Templo para oferecer o Menino ao Senhor. Se quisermos traduzi-lo em termos da nossa cultura é como quando uma família se prepara para levar uma criança ao Baptismo. Já nos aconteceu muitas vezes assistir a esta festa. Procuremos esquadrinhar o coração da Mãe: ela oferece a Deus com todo o coração o Menino que dela nasceu. Somos capazes de a imitar na vida de cada dia?

Compromisso: Despojar-me de algo a que estou muito ligado para o doar à pessoa que me é particularmente antipática, imitando a Mãe do Senhor que ofereceu com coração puro o seu Filho.

Abrir

Nove dias com Maria – IV

4º Dia: MARIA, MULHER CONTEMPLATIVA

À escuta da Palavra: A visita dos Magos (Mt 2, 1-12).

Reflexão: Que pensariam Maria e José vendo diante de si estes homens misteriosos vindos de longe para ver Jesus? O Filho de Deus fez-se homem para todos, inclusivamente para estes “estrangeiros”. Maria compreende isto e também lhes apresenta Jesus. Maria é a verdadeira contemplativa, isto é, a que sabe ver a realidade com os olhos de Deus. E nós? Somos contemplativos? Conseguimos ver a realidade como Deus a vê? Somos capazes de dar Jesus às pessoas que encontramos, sejam conhecidas ou não, vizinhos ou estranhos, ricos ou pobres?

Compromisso: Não julgar as pessoas que encontro ao longo do dia mas ver em cada uma delas o rosto de Deus.

Abrir

Nove dias com Maria – III

3º Dia: MARIA, MÃE QUE NOS VISITA COM O SEU ESCAPULÁRIO

À escuta da Palavra: O Nascimento (Lc 2, 1-20).

Reflexão: O evangelista Lucas transmite-nos o gesto carinhoso e materno de Maria que envolve em panos o Menino Jesus, um gesto que toda a mãe já fez como sinal de protecção e cuidado. Também nós somos revestidos com este vestido de Maria, nossa Mãe e Irmã, através do Escapulário. Ela cuida de nós e protege-nos. Envolve-nos com o seu manto para crescermos fortes e robustos na escola do seu Filho.

Compromisso: Revestir-me do Escapulário para testemunhar também exteriormente o meu amor a Jesus e a Maria. Quero que o Escapulário me recorde que devo viver cada dia na escola de Jesus a exemplo de Maria.

Abrir

Nove dias com Maria – II

2º Dia: MARIA, ESPLÊNDIDA NO SERVIÇO

À escuta da Palavra: A visitação (Lc 1, 39-45).

Reflexão: Logo que recebe o anúncio do anjo, a Mãe do Senhor põe-se a caminho para saudar e ajudar a sua prima Isabel, de idade avançada, que espera um filho. O Evangelho diz-nos que ela caminha apressadamente, para pôr-se ao serviço de quem precisa da sua ajuda. A Virgem não se envaidece (o anúncio não lhe sobe à cabeça) porque nela se cumprirá a esperança de Israel, mas na maior da humildade, caminha para prestar um serviço nas pequenas e humildes tarefas do lar.

Compromisso: comprometo-me a prestar ajuda às pessoas que estão mais próximas de mim. E com a finalidade de imitar a Virgem Maria, procurarei ser mais serviçal com aquelas pessoas que me parecem menos simpáticas.

Sugestão: A leitura proposta pode ser feita na Bíblia On-line da Difusora Bíblica em: http://www.paroquias.org/biblia/index.php

Abrir

Nove dias com Maria – I

A Solenidade de Nossa Senhora do Carmo celebra-se no dia 16 de Julho. Habitualmente faz-se uma preparação (tríduo ou novena). Nos próximos nove dias caminharemos em comum na preparação desta Solenidade.

1º Dia: MARIA, EXEMPLO DE ACOLHIMENTO

À escuta da Palavra: A Anunciação (Lc 1, 26-38).

Reflexão: Os Evangelhos começam por apresentar Maria como a mulher que acolhe o projecto de Deus em atitude de oração: escuta, medita, consente e responde “sim” a Deus que chama. Em suma: acolhe. Este acolhimento gera nela a Vida: “A Palavra fez-se carne”.

Compromisso: ler uma página do Evangelho para ver o que Deus quer de mim na vida de cada dia.

Abrir

O amor de Cristo

O nosso próximo é todo aquele que está diante de nós e tem necessidade de nós; não importa se é nosso familiar ou não, se nos “agrada” ou não, se é ou não “moralmente digno” de ajuda.

O amor de Cristo não conhece fronteiras, nunca se cansa, não tem repugnância da sujidade e da miséria. Cristo veio para os pecadores e não para os justos.

E se o amor de Cristo vive em nós, então agiremos como Ele, e iremos à procura das ovelhas perdidas.

Santa Teresa Benedita da Cruz (Edite  Stein)

Abrir

Cristo, palavra definitiva

Ao dar-nos como nos deu o seu Filho, que é a sua Palavra, e não tem outra, tudo nos falou de uma vez nesta única Palavra, e não tem mais que falar. […] Deus ficou como mudo e não tem mais que falar pois disse-nos tudo, ao dar-nos o Tudo, que é o seu Filho.

São João da Cruz

Abrir