Oração para a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023

Nossa Senhora da Visitação, que partistes apressadamente para a montanha ao encontro de Isabel, fazei-nos partir também ao encontro de tantos que nos esperam para lhes levarmos o Evangelho vivo: Jesus Cristo, vosso Filho e nosso Senhor!
Iremos apressadamente, sem distracção nem demora, antes com prontidão e alegria. Iremos serenamente, pois quem leva Cristo leva a paz, e o bem-fazer é o melhor bem-estar.
Nossa Senhora da Visitação, com a vossa inspiração, esta Jornada Mundial da Juventude será a celebração mútua do Cristo que levamos, como Vós outrora.
Fazei que ela seja ocasião de testemunho e partilha, convivência e acção de graças, procurando cada um o outro que sempre espera.
Convosco continuaremos este caminho de encontro, para que o nosso mundo se reencontre também, na fraternidade, na justiça e na paz.
Ajudai-nos, Nossa Senhora da Visitação, a levar Cristo a todos, obedecendo ao Pai, no amor do Espírito!

Abrir

30º Domingo do Tempo Comum – Ano B

O texto que nos é proposto para o 30º Domingo do Tempo Comum, Ano B, narra a cura do cego Bartimeu que levará este homem a seguir Jesus porque se operou nele uma iluminação pelo encontro com Aquele que é a “Luz do mundo”. Bartimeu vive de esmolas, dependendo da compaixão alheia. Está fora da cidade, é um excluído. As doenças e as deficiências físicas eram vistas como fruto do pecado. Segundo o modo de pensar de então, Deus castigava de acordo com a gravidade da culpa, o que se deduz que a cegueira dever-se-ia a um pecado bastante grave, próprio ou dos pais (cf. Jo 9,2). Está «sentado» porque é incapaz de mudar a sua condição; e «à beira do caminho», porque é um marginalizado, que não pode alcançar a salvação. Bartimeu é imagem da humanidade necessitada da Luz da salvação.

Porque cego, rege-se pelo ouvido. Ouve uma multidão que se aproxima e o povo a exclamar: «É Jesus, o Nazareno», aquele de quem já antes ouvira falar. Nasce então nele uma nova esperança e logo se põe a clamar: «Jesus, filho de David, tem misericórdia de mim». Muitos dos que estavam com Jesus repreendiam Bartimeu para que estivesse calado (Mc 10, 48).

Quando Jesus pergunta a Bartimeu o que deseja dele, o cego não duvida. Sabe muito bem aquilo que necessita: “Mestre, que eu veja”. Isto é o mais importante. Quando alguém começa a ver as coisas de maneira nova, a sua vida transforma-se. Quando uma comunidade recebe a luz de Jesus, converte-se.

«Jesus, Filho de David, tem misericórdia de mim». A súplica de Bartimeu tornou-se na oração que tem acompanhado as noites de insónia de tantos doentes, quando nenhuma palavra satisfaz, porque inúteis e vazias, e o sofrimento não dá descanso ao corpo nem à alma. Aquele grito de súplica tornou-se oração de peregrinos, murmúrurio incessante de monges… Também é a voz dos pobres, dos humildes, súplica de tantas mães que vêem os seus filhos a perder-se pelo caminho da droga, da violência e da diversão atordoante.

Palavra para o caminho

Quando a fé está viva, a oração é sentida: não mendiga tostões, não se reduz às necessidades do momento. A Jesus, que tudo pode, deve ser pedido tudo. Não vos esqueçais disto. A Jesus que tudo pode, deve-se pedir tudo, com a minha insistência perante Ele. Ele não vê a hora de derramar a sua graça e alegria nos nossos corações, mas infelizmente somos nós que mantemos a distância, talvez por timidez, ou preguiça ou incredulidade. (Papa Francisco, Angelus, 24 de Out., 2021).

Abrir

Nada te perturbe, só Deus basta

Nada te perturbe,
nada te espante,
tudo passa,
Deus não muda,
a paciência tudo alcança;
quem a Deus tem,
nada lhe falta:
SÓ DEUS BASTA.

Eleva o pensamento,
ao céu sobe,
por nada te angusties,
nada te perturbe.
A Jesus Cristo segue,
com grande entrega,
e, venha o que vier,
nada te espante.
Vês a glória do mundo?
É glória vã;
nada tem de estável,
TUDO PASSA.

Deseja as coisas celestes,
que sempre duram;
fiel e rico em promessas,
Deus não muda.
Ama-o como merece,
Bondade Imensa;
quem a Deus tem,
mesmo que passe por momentos difíceis,
sendo Deus o seu tesouro,
nada lhe falta.
SÓ DEUS BASTA!

Santa Teresa de Jesus

Abrir

A liberdade realiza-se na caridade

Na Carta aos Gálatas, o apóstolo Paulo introduz-nos na grande novidade da fé, da “vida nova” recebida no Baptismo, com o dom maior de sermos filhos de Deus. Renascidos com Cristo, passamos de uma religiosidade de preceitos a uma fé viva, tendo como centro a comunhão com Deus e com os irmãos. Passamos da escravidão do medo e do pecado à liberdade dos filhos de Deus. Mas esta liberdade expressa-se plenamente na vivência da caridade, e aqui, uma vez mais, estamos diante do paradoxo do Evangelho: somos livres quando nos colocamos ao serviço dos demais. Como se explica esse paradoxo? Pela caridade, pelo amor. Foi o amor de Cristo que nos libertou, e é o amor que nos liberta da escravidão do egoísmo. A liberdade guiada pelo amor torna livres os outros e a nós mesmos, e conduz-nos a servir especialmente os mais pobres, reconhecendo nestes o rosto de Cristo. Uma das concepções modernas de liberdade afirma: “a minha liberdade termina onde começa a tua”. Trata-se de um conceito individualista, onde falta a dimensão comunitária. A pandemia ensinou-nos o quanto necessitamos uns dos outros. Afirmamos e cremos que os outros não são um obstáculo à minha liberdade, mas a possibilidade de realizá-la plenamente, pois a nossa liberdade nasce do amor de Deus e cresce na caridade. (Resumo da catequese da Papa Francisco, 20 de Outubro, 2021).

Catequese completa

https://www.vatican.va/content/francesco/pt/audiences/2021/documents/papa-francesco_20211020_udienza-generale.html

Abrir

29º Domingo do Tempo Comum – Ano B

No Evangelho do 29º Domingo do Tempo Comum, Ano B, Marcos narra que dois dos discípulos de Jesus, Tiago e João, pedem-lhe para se sentarem a seu lado na glória, “como primeiros-ministros”, ou algo semelhante. Este pedido causa indignação nos demais companheiros. Jesus aproveita a ocasião para ensinar que a verdadeira glória se obtém vivendo o baptismo que estava para receber em Jerusalém, ou seja, a cruz, e não elevando-se sobre os outros. A palavra baptismo significa “imersão”. Com a sua Paixão Jesus imergiu-se na morte, oferecendo a sua vida para nos salvar. Portanto, a glória de Deus é amor que se faz serviço, não poder que busca o domínio.

A frase “o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por todos” (Mc 10,45) resume admiravelmente a existência de Jesus. Desde o primeiro instante, Ele fez da sua vida serviço, e o ponto culminante foi a morte na cruz, expressão máxima e total do seu amor aos homens. Nós, seguidores de Jesus, devemos estar plenamente conscientes desta realidade.

Somos confrontados com duas lógicas diferentes: os discípulos querem emergir e Jesus quer imergir. A primeira expressa aquela mentalidade mundana pela qual sempre somos tentados: viver todas as coisas, até mesmo os relacionamentos, para alimentar a nossa ambição, para galgar os degraus do sucesso, para chegar a lugares importantes. Olhamos para o Senhor Crucificado, que imerge até ao fundo da nossa história ferida, e descobrimos o modo de agir de Deus. Vemos que Ele não ficou lá em cima nos céus, olhando para nós de cima para baixo, mas desceu para lavar os nossos pés. Deus é amor e o amor é humilde, não sobe, mas desce, como a chuva que cai na terra e traz vida.

Quem são os primeiros na comunidade cristã? As palavras de Jesus não deixam qualquer dúvida: “quem quiser ser o primeiro, será o último de todos e o servo de todos”. Aquilo que nos deve mover é a vontade de servir, de partilhar com os irmãos os dons que Deus nos concedeu.

Que o Espírito Santo renove em nós a graça do Baptismo, a imersão em Jesus, no seu modo de ser, para ser mais servos, ser servos como Ele foi connosco. Peçamos a Nossa Senhora que sendo a maior, não quis emergir, mas foi a humilde serva do Senhor e está totalmente imersa no nosso serviço, para nos ajudar a encontrar Jesus.

 

 

Abrir

Santa Teresa de Jesus – 15 de Outubro

Nada te perturbe, nada te espante; tudo passa… só Deus não muda. A paciência tudo alcança, quem a Deus tem nada lhe falta: só Deus basta (Santa Teresa de Jesus).

Bem sabe Sua Majestade que só posso presumir da Sua Misericórdia; e, já que não posso deixar de ser a que tenho sido, não tenho outro remédio, senão acolher-me a ela e confiar nos méritos de Seu Filho e da Virgem, Sua Mãe, cujo hábito indignamente trago, e vós trazeis também. Louvai-O, minhas filhas, pois verdadeiramente o sois desta Senhora; e assim não tendes de vos afrontar que eu seja ruim, pois tendes tão boa Mãe. Imitai-A e considerai qual deve ser a grandeza desta Senhora, e o bem de A ter por Padroeira, pois não bastaram meus pecados e ser a que sou, para em nada deslustrar esta sagrada Ordem.

Santa Teresa de Jesus

Oração

Senhor, que por meio de Santa Teresa de Jesus, inspirada pelo Espírito Santo, manifestastes à vossa Igreja o caminho da perfeição, concedei-nos a graça de encontrar alimento na sua doutrina espiritual e de nos inflamarmos no desejo da verdadeira santidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo. Amen.

Abrir

A liberdade cristã, fermento universal de libertação

Na chamada à liberdade tal como Paulo a explica na Carta aos Gálatas, descobrimos o verdadeiro sentido da inculturação do Evangelho: ser capazes de anunciar a Boa Nova de Cristo Salvador, respeitando aquilo que existe de bom e verdadeiro nas culturas. A visão paulina da liberdade é inteiramente iluminada e fecundada pelo mistério de Cristo, que, «pela sua encarnação – como recorda Concílio Vaticano II –, Se uniu de certo modo a cada homem» (GS, 22). Assim a liberdade que Jesus nos alcançou, com a sua morte e ressurreição, não entra em conflito com as culturas e tradições que recebemos. Na verdade, o Batismo permite-nos obter a plena liberdade de filhos de Deus; e ao mesmo temos que permanecemos inseridos nas nossas raízes culturais, abrimo-nos ao universalismo da fé que penetra e abraça todas as culturas, desenvolvendo até à plenitude as sementes de bem nelas contido. Segundo explica o Apóstolo, acolher a fé obriga a renunciar, não ao coração das culturas e tradições, mas apenas àquilo que nelas possa obstaculizar a novidade e pureza do Evangelho. Para quem adere a Jesus, não conta ser circuncidado ou não circuncidado, ser judeu ou pagão; o que conta é a fé que atua pelo amor. A Igreja tem, na sua própria natureza, a abertura a todos os povos e às culturas de todos os tempos, porque Cristo nasceu, morreu e ressuscitou por todos. (Resumo da catequese da Papa Francisco, 13 de Outubro, 2021).

Catequese completa 

https://www.vatican.va/content/francesco/pt/audiences/2021/documents/papa-francesco_20211013_udienza-generale.html

Abrir

A palavra de Deus é viva, eficaz (Hb 4, 12)

Nos Livros Sagrados, o Pai que está nos céus vem amorosamente ao encontro dos seus filhos e conversa com eles; e tão grande é a força e a virtude da Palavra de Deus, que ela se torna a força e o vigor da Igreja e fortaleza da fé para os seus filhos, alimento da alma, fonte pura e perene de vida espiritual! Por isso, excelentemente convém à Sagrada Escritura estas palavras: “A palavra de Deus é viva, eficaz” (Hb 4, 12) e “tem o poder de construir o edifício e de vos conceder parte na herança com todos os santificados” (At 20, 32; cfr. 1 Ts 2, 13).

Concílio Ecuménico Vaticano II, Dei Verbum, nº 21

Abrir

28º Domingo do Tempo Comum – Ano B

“O Evangelho deste Domingo (Mc 10, 17-39) tem como tema principal a riqueza. Jesus ensina que para um rico é muito difícil entrar no Reino de Deus, mas não impossível; de facto, Deus pode conquistar o coração de uma pessoa que possui muitos bens e levá-la à solidariedade e à partilha com quem está em necessidade, com os pobres, isto é, a entrar na lógica da doação. Deste modo ela põe-se no caminho de Jesus Cristo, o qual — como escreve o apóstolo Paulo — «sendo rico, fez-se pobre por vós, para que vos tornásseis ricos por meio da sua pobreza» (2 Cor 8, 9)…

Assim comenta São Clemente de Alexandria: «A parábola ensina aos ricos que não devem descuidar a sua salvação como se fossem já condenados, nem devem abandonar a riqueza nem condená-la como insidiosa e hostil à vida, mas devem aprender de que modo usar a riqueza e conquistar a vida» (Os ricos poderão salvar-se?, 27, 1-2). A história da Igreja está cheia de exemplos de pessoas ricas, que usaram os próprios bens de modo evangélico, alcançando também a santidade. Pensemos apenas em São Francisco, em Santa Isabel da Hungria ou em são Carlos Borromeu”. (Bento XVI, Angelus, 14 de Outubro, 2012).

“O grande perigo, a grande tentação, é tornarmo-nos auto-suficientes, ricos de nós próprios, ricos de bens, de teres. O Evangelho não está contra ter, está contra o modo como se tem, contra aquele que põe a confiança nos seus bens e espera daí a felicidade. Isto é, fechar-se sobre si próprio. É uma atitude com muitas consequências práticas, a de pôr o seu deus nos bens. Em quem pões a tua segurança, em Deus ou nos bens materiais? E o que é que estás disposto a largar da mão, o que tens e és ou só aquilo que te sobra? A riqueza é vista como um grande vício, porque é fazer daquilo que se tem, dos bens materiais, o seu deus… e até mesmo os bens espirituais se podem tornar uma riqueza neste sentido se penso que me são devidos, se fazem o meu orgulho”. (Vasco P. Magalhães sj).

Abrir

Cristo libertou-nos

Na sua Carta aos Gálatas, Paulo convida os cristãos a permanecerem firmes na liberdade recebida no Batismo e que Cristo lhes conquistara na Cruz. Foi na Cruz, onde Jesus Se deixou cravar, que Deus colocou a fonte da libertação radical do ser humano. Parece incrível que a fonte da liberdade possa estar precisamente no ponto onde acabamos despojados de toda a liberdade, isto é, na morte. Mas foi o próprio Jesus que o disse: «É por isto que meu Pai Me tem amor: por Eu oferecer a minha vida, para a retomar depois. Ninguém ma tira, mas sou Eu que a ofereço livremente. Tenho poder de a oferecer e poder de a retomar» (Jo 10, 17-18). Com plena liberdade, Jesus entrega-Se à morte; sabe que só assim pode obter a vida para todos. É o mistério do amor de Deus. Paulo experimentara em si próprio este mistério de amor, chegando a dizer: «Eu estou crucificado com Cristo» (2, 9). Na Cruz, cravou «a carne com as suas paixões e desejos» (5, 24). Neste ato de suprema união com o Senhor, o Apóstolo sabe que recebeu o maior dom da sua vida: a liberdade. E não podia suportar que os Gálatas, depois de ter conhecido e acolhido a verdade de Cristo, se deixassem atrair por propostas enganadoras, passando da presença libertadora de Jesus para a escravidão do pecado, do legalismo, etc. Ninguém pode ser feito escravo em nome de Jesus, que nos torna livres! Tudo isto nos faz ver a grande fé que animava Paulo, e como era grande a sua intimidade com Cristo. Quanto a nós, se, por um lado, sentimos o muito que ainda falta para nos parecermos com o Apóstolo, por outro enche-nos de coragem o seu testemunho. (Resumo da catequese da Papa Francisco, 6 de Outubro, 2021). 

Catequese completa 

https://www.vatican.va/content/francesco/pt/audiences/2021/documents/papa-francesco_20211006_udienza-generale.html

Abrir