Festa de Santa Teresinha

CATEQUESE DO PAPA BENTO XVI  SOBRE SANTA TERESINHA

Queridos irmãos e irmãs,

Hoje gostaria de vos falar de Santa Teresa de Lisieux, Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face, que viveu neste mundo apenas 24 anos, no final do século XIX, levando uma vida simples e oculta, mas que depois da sua morte e da publicação dos seus escritos, se tornou uma das santas mais conhecidas e amadas. A “pequena Teresa” não deixou de ajudar as almas mais simples, os pequenos, os pobres, os que sofrem e os que lhe rezam, mas também iluminou toda a Igreja, com a sua profunda doutrina espiritual, de tal forma que o Venerável João Paulo II, em 1997, quis dar-lhe o título de Doutora da Igreja, acrescentado ao título de Padroeira das Missões, dado por Pio XI, em 1939. O meu querido predecessor definiu-a como uma “especialista na ‘scientia amoris'” (Novo millennio ineunte, 27). Esta ciência, que vê brilhar no amor toda a verdade da fé, Teresa expressa-se principalmente no relato da sua vida, publicado um ano após a sua morte com o título de “História de uma alma”. É um livro que foi de imediato um enorme sucesso; foi traduzido para muitas línguas e distribuído em todo o mundo. Eu gostaria de vos convidar a redescobrir este pequeno-grande tesouro, este luminoso comentário do Evangelho plenamente vivido! “História de uma alma”, de facto, é uma maravilhosa história de amor, contada com tal autenticidade, simplicidade e frescura, que o leitor não pode deixar de ficar fascinado! No entanto, qual é esse amor que preencheu a vida de Teresa, desde a infância até à sua morte? Queridos amigos, este amor tem um rosto, tem um nome, é Jesus! A santa fala continuamente de Jesus. Percorramos, então, as grandes etapas de sua vida, para entrar no coração de sua doutrina. Teresa nasceu a 2 de Janeiro de 1873, em Alençon, uma cidade da Normandia, França. Foi a última filha de Luis e Célia Martin, esposos e pais exemplares, beatificados os dois a 19 de Outubro de 2008. Tiveram 9 filhos, dos quais 4 morreram na infância. Restaram 5 filhas, que se tornaram todas religiosas. Teresa, aos 4 anos, foi profundamente afectada pela morte da sua mãe (Ms A, 13r). O pai, com as filhas, mudou-se então para a cidade de Lisieux, onde se desenvolveu toda a vida da santa. Mais tarde, Teresa, sofrendo uma doença nervosa grave, curou-se devido a uma graça divina, que ela definiu como “o sorriso de Nossa Senhora” (ibid., 29v-30v). Recebeu a Primeira Comunhão, vivida intensamente (ibid., 35r), e colocou Jesus Eucaristia no centro da sua existência. A “Graça do Natal” de 1886 marcou um ponto de viragem, ao que ela chamou de “conversão completa” (ibid., 44v-45r). De facto, ela curou-se totalmente da sua hipersensibilidade infantil e iniciou um “caminho de gigante”. Na idade de 14 anos, Teresa aproximou-se cada vez mais, com muita fé, de Jesus Crucificado, e levou muito a sério o caso, aparentemente desesperado, de um criminoso condenado à morte e impenitente (ibid., 45v-46v). “Eu queria a todo custo evitar que ele fosse para o inferno”, escreveu a santa, com a certeza de que a sua oração o teria colocado em contacto com o sangue redentor de Jesus. É a sua primeira e fundamental experiência da maternidade espiritual: “Tão confiante estava na infinita misericórdia de Jesus”, escreveu. Com Maria Santíssima, a jovem Teresa ama, crê e espera, com “um coração de mãe” (cf. PR 6/10r).

Em Novembro de 1887, Teresa vai em peregrinação a Roma, com o seu pai e a sua irmã Celina (ibid., 55v-67r). Para ela, o momento culminante foi a audiência do Papa Leão XIII, a quem pede autorização para entrar, com apenas 15 anos, no Carmelo de Lisieux. Um ano depois, o seu desejo foi realizado: ela torna-se carmelita, para “salvar almas e rezar pelos sacerdotes” (ibid., 69v). Ao mesmo tempo, começou a dolorosa e humilhante doença mental do seu pai. É um grande sofrimento que leva Teresa à contemplação do Rosto de Jesus na sua Paixão (ibid., 71rv).

Assim, o seu nome religioso – Irmã Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face – expressa o programa de toda a sua vida, na comunhão com os mistérios centrais da Encarnação e da Redenção. A sua profissão religiosa, na festa da Natividade de Maria, em 8 de Setembro de 1890, é para ela um verdadeiro matrimónio espiritual, na “pequenez” do Evangelho, que se caracteriza pelo símbolo da flor: “Que festa bonita a Natividade de Maria para me tornar a esposa de Jesus!”, escreve. Era a pequena Virgem Santa de um dia que apresentava a sua pequena flor ao Menino Jesus (ibid., 77r). Para Teresa, ser religiosa significa ser esposa de Jesus e mãe das almas (cf. Ms B, 2v). No mesmo dia, a santa escreveu uma frase que mostra a orientação da sua vida: pede a Jesus o dom do seu amor infinito, de ser a menor e, especialmente, pede a salvação de todos os homens: “Que nenhuma alma se condene hoje” (Pr 2). De grande importância é o seu Acto de Oferenda ao Amor Misericordioso, feito na Festa da Santíssima Trindade em 1985 (Ms A, 83v-84r; Pr 6): uma oferta que Teresa partilhou com as suas irmãs, sendo já auxiliar da mestra de noviças.

Dez anos após a “Graça do Natal”, em 1896, chega a “Graça da Páscoa”, que abre o último período da vida de Teresa, com o início da sua paixão profundamente unida à Paixão de Jesus; trata-se da Paixão do corpo, com a doença que a levou à morte através de grandes sofrimentos, mas acima de tudo trata-se da paixão da alma, com uma muito dolorosa prova de fé (Ms C, 4v-7v). Com Maria, junto à cruz de Jesus, Teresa vive agora a fé mais heróica, como luz nas trevas que invadem a sua alma. A carmelita tem a consciência de viver esta grande prova para a salvação de todos os ateus do mundo moderno, chamados por ela de “irmãos”. Ela viveu, então, mais intensamente o amor fraterno (8r-33v): com as irmãs da sua comunidade, com os seus irmãos espirituais missionários, com os sacerdotes e com todos os homens, especialmente aqueles mais distantes. Ela torna-se uma “irmã universal”! A sua caridade amável e sorridente é a expressão da profunda alegria cujo segredo nos revela: “Jesus, minha alegria é amar-te” (P 45/7). Neste contexto de sofrimento, vivendo o maior amor nas menores coisas da vida quotidiana, a santa leva ao pleno cumprimento a sua vocação de ser o amor no Coração da Igreja (cf. Ms B, 3v).

Teresa morreu na noite de 30 de Setembro de 1897, dizendo as palavras simples: “Meu Deus, eu te amo!”, olhando para o crucifixo, que apertava com as mãos. Estas últimas palavras da santa são a chave de todos os seus ensinamentos, da sua interpretação do Evangelho. O acto de amor, expresso no seu último suspiro, era como a respiração contínua da sua alma, como o bater do seu coração. As simples palavras “Jesus, eu te amo” são o centro de todos os seus escritos. O acto de amor a Jesus introdu-la na Santíssima Trindade. Ela escreveu: “Ah, tu sabes, divino Jesus, eu te amo, / o espírito de Amor inflama-me com seu fogo / e, amando-te, eu atraio o Pai” (P 17/2).

Queridos amigos, também nós, com Santa Teresinha do Menino Jesus, podemos repetir cada dia ao Senhor, que queremos viver de amor a Ele e aos outros, aprender na escola do santos a amar de maneira autêntica e total. Teresa é um dos “pequenos” do Evangelho, que são guiados por Deus nas profundezas do seu mistério. Uma guia para todos, especialmente para os que, no povo de Deus, desenvolvem o ministério de teólogos. Com a humildade e a fé, caridade e esperança, Teresa entra continuamente no coração das Sagradas Escrituras, que contêm o mistério de Cristo. E essa leitura da Bíblia, alimentada pela ciência do amor, não se opõe à ciência académica. A ciência dos santos, de facto, da qual ela fala na última página de “História de uma alma”, é a ciência mais alta: “Todos os santos a entenderam; em particular, talvez, aqueles que encheram o universo com a irradiação do ensinamento do Evangelho. Não será, talvez, por meio da oração, que os santos Paulo, Agostinho, João da Cruz, Tomás de Aquino, Francisco, Domingos e muitos outros ilustres amigos de Deus obtiveram essa ciência divina que encanta os maiores génios?” (Ms C, 36r). Inseparável do Evangelho, a Eucaristia é, para Teresa, o sacramento do Amor Divino que desce até ao extremo para nos elevar até Ele. Na sua última carta, a santa escreveu estas simples palavras sobre a imagem que representa o Jesus Menino na Hóstia Consagrada: “Não posso temer um Deus que por mim se tornou tão pequeno! (…) Eu o amo! De facto, Ele é só Amor e Misericórdia!” (LT 266).

No Evangelho, Teresa descobre sobretudo a misericórdia de Jesus, a ponto de dizer: “Ele deu-me a sua misericórdia infinita; através dela contemplo e adoro as demais perfeições divinas! (…) E então todas me parecem radiantes de amor; a própria justiça (e talvez mais do que qualquer outra), parece-me revestida de amor” (Ms A, 84r). Assim se expressa também nas últimas linhas da “História de uma alma”: “Basta folhear o Santo Evangelho e imediatamente respiro o perfume da vida de Jesus e sei para onde correr… Não é ao primeiro lugar, mas ao último que me dirijo… Sim, eu o sinto; inclusive se tivesse sobre a consciência todos os pecados que se podem cometer, iria com o coração partido de arrependimento lançar-me nos braços de Jesus, porque sei o quanto Ele ama o filho pródigo que volta para Ele” (Ms C, 36v-37r). “Confiança e amor” são, portanto, o ponto final do relato da sua vida, duas palavras que, como faróis, iluminaram todo o seu caminho de santidade, para poder guiar no seu próprio “pequeno caminho de confiança e amor”, da infância espiritual (cf. Ms C, 2v-3r; LT 226). Confiança como a da criança que se abandona nas mãos de Deus, inseparável pelo compromisso forte, radical do verdadeiro amor, que é o dom total de si mesmo, para sempre, como diz a santa, contemplando Maria: “Amar é dar tudo, é dar-se a si mesmo” (P 54/22). Assim, Teresa indica a todos nós que a vida cristã consiste em viver em plenitude a graça do Baptismo, no dom total de si ao amor do Pai, para viver como Cristo, no fogo do Espírito Santo, o seu próprio amor aos outros.

Bento XVI

Abrir

26º Domingo do Tempo Comum (B)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos (Mc 9, 38-48)

Disse-lhe João: «Mestre, vimos alguém expulsar demónios em teu nome, alguém que não nos segue, e quisemos impedi-lo porque não nos segue.» Jesus disse-lhes: «Não o impeçais, porque não há ninguém que faça um milagre em meu nome e vá logo dizer mal de mim. Quem não é contra nós é por nós. Sim, seja quem for que vos der a beber um copo de água por serdes de Cristo, em verdade vos digo que não perderá a sua recompensa.» «E se alguém escandalizar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor seria para ele atarem-lhe ao pescoço uma dessas mós que são giradas pelos jumentos, e lançarem-no ao mar. Se a tua mão é para ti ocasião de queda, corta-a; mais vale entrares mutilado na vida, do que, com as duas mãos, ires para a Geena, para o fogo que não se apaga, onde o verme não morre e o fogo não se apaga.Se o teu pé é para ti ocasião de queda, corta-o; mais vale entrares coxo na vida, do que, com os dois pés, seres lançado à Geena, onde o verme não morre e o fogo não se apaga. E se um dos teus olhos é para ti ocasião de queda, arranca-o; mais vale entrares com um só no Reino de Deus, do que, com os dois olhos, seres lançado à Geena, onde o verme não morre e o fogo não se apaga.

Abrir

Oração a Nossa Senhora do Carmo

ORAÇÃO A NOSSA SENHORA DO CARMO

Ó Virgem Maria, Mãe e Rainha do Carmelo, tu estiveste unida de modo admirável ao mistério da Redenção, acolheste e conservaste no coração a Palavra de Deus e perseveraste com os Apóstolos em oração esperando o Espírito Santo. Em ti, como numa imagem perfeita, vemos realizado o que desejamos e esperamos ser na Igreja. Ó Virgem Maria, Estrela Mística do Monte Carmelo, ilumina-nos e guia-nos no caminho da perfeita caridade e atrai-nos para a contemplação do rosto do Senhor. Cuida de nós com amor, e reveste os teus filhos com o teu Santo Escapulário, sinal da tua proteção, e que a tua presença ilumine os nossos caminhos e nos faça chegar ao Monte da Salvação, que é Cristo Jesus, teu Filho e Senhor nosso. Amen.

Abrir

Perfeição

A perfeição consiste em fazer a vontade de Deus, em ser o que Ele quer que sejamos.

Santa Teresinha do Menino Jesus

Abrir

25º Domingo do Tempo Comum (B)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos (Mc 9, 30-41

Partindo dali, atravessaram a Galileia, e Jesus não queria que ninguém o soubesse, porque ia instruindo os seus discípulos e dizia-lhes: «O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens que o hão-de matar; mas, três dias depois de ser morto, ressuscitará.» Mas eles não entendiam esta linguagem e tinham receio de o interrogar. Chegaram a Cafarnaúm e, quando estavam em casa, Jesus perguntou: «Que discutíeis pelo caminho?» Ficaram em silêncio porque, no caminho, tinham discutido uns com os outros sobre qual deles era o maior. Sentando-se, chamou os Doze e disse-lhes: «Se alguém quiser ser o primeiro, há-de ser o último de todos e o servo de todos.» E, tomando um menino, colocou-o no meio deles, abraçou-o e disse-lhes: «Quem receber um destes meninos em meu nome é a mim que recebe; e quem me receber, não me recebe a mim mas àquele que me enviou.» Disse-lhe João: «Mestre, vimos alguém expulsar demónios em teu nome, alguém que não nos segue, e quisemos impedi-lo porque não nos segue.» Jesus disse-lhes: «Não o impeçais, porque não há ninguém que faça um milagre em meu nome e vá logo dizer mal de mim. Quem não é contra nós é por nós. Sim, seja quem for que vos der a beber um copo de água por serdes de Cristo, em verdade vos digo que não perderá a sua recompensa.»

Abrir

És amparado!

Deus não exige nada do homem sem lhe oferecer ao mesmo tempo a força para isso.

Santa Teresa Benedita da Cruz

Abrir

Escutar

Ó Verbo eterno, palavra do meu Deus, quero passar a vida a ouvir-vos, quero ser duma docilidade absoluta para tudo aprender de Vós.

Santa Isabel da Trindade

 

Abrir

24º Domingo do Tempo Comum (B)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos (Mc 8, 27-35)

Jesus partiu com os discípulos para as aldeias de Cesareia de Filipe. No caminho, fez aos discípulos esta pergunta: «Quem dizem os homens que Eu sou?» Disseram-lhe: «João Baptista; outros, Elias; e outros, que és um dos profetas.» «E vós, quem dizeis que Eu sou?» – perguntou-lhes. Pedro tomou a palavra, e disse: «Tu és o Messias.» Ordenou-lhes, então, que não dissessem isto a ninguém. Começou, depois, a ensinar-lhes que o Filho do Homem tinha de sofrer muito e ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos doutores da Lei, e ser morto e ressuscitar depois de três dias. E dizia claramente estas coisas. Pedro, desviando-se com Ele um pouco, começou a repreendê-lo. Mas Jesus, voltando-se e olhando para os discípulos, repreendeu Pedro, dizendo-lhe: «Vai-te da minha frente, Satanás, porque os teus pensamentos não são os de Deus, mas os dos homens.»Chamando a si a multidão, juntamente com os discípulos, disse-lhes: «Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.

Abrir

Queimar as escórias

Enquanto a nossa vontade tiver caprichos estranhos à união divina, fantasias de sim e não, permanecemos num estado de infância, não caminhamos a passo de gigante no amor, porque o fogo ainda não queimou toda a escória; o ouro não está puro e buscamo-nos ainda a nós mesmos!

Santa Isabel da Trindade

Abrir

Encher-se para dar

Ao carmelita, portanto, deve ser ensinado de que o primeiro e mais importante é ser uma pessoa de solidão e de oração. Ele mesmo deverá convencer-se pessoalmente de que o êxito do seu trabalho apostólico depende da sua fidelidade à vida contemplativa.

Kilian Healy, O. Carm.

Abrir