6º Domingo da Páscoa – Ano C

Mas o Paráclito, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome,

vos ensinará todas as coisas e vos recordará tudo o que Eu vos disse (Jo 14, 26)

– Em que consiste a missão do Espírito Santo que Jesus promete como dom? Ele mesmo o diz: “Ele vos ensinará todas as coisa e vos recordará tudo o que eu vos disse”. No decurso da sua vida terrena, Jesus já transmitiu tudo o que queria confiar aos Apóstolos: ele completou a Revelação divina, isto é, tudo o que o Pai queria dizer à humanidade com a encarnação do Filho. A tarefa do Espírito Santo é a de fazer recordar, isto é, fazer compreender em plenitude e induzir a realizá-la através de um estilo de vida preciso, caracterizado por algumas exigências: fé no Senhor e a observância da sua Palavra; docilidade à acção do Espírito, que torna continuamente vivo e presente o Senhor Ressuscitado; o acolhimento da sua paz e o testemunho dela através de um comportamento de abertura e de encontro com o outro” (Papa Francisco, Regina Coeli, 26 de Maio, 2019).

– “O Evangelho deste Domingo, tirado do capítulo 14 de São João, oferece-nos um retrato espiritual implícito da Virgem Maria, onde Jesus diz: “Se alguém me ama, guarda a minha Palavra; meu Pai amá-lo-á, viremos a ele e nele faremos morada” (Jo 14, 23). Estas expressões são dirigidas aos discípulos, mas podem ser aplicadas ao máximo grau precisamente Àquela que é a primeira e perfeita discípula de Jesus. Efectivamente, Maria foi a primeira que observou de maneira plena a palavra do seu Filho, demonstrando deste modo que O ama não apenas como Mãe, mas ainda antes como serva humilde e obediente; por isso, Deus Pai amou-a e nela a Santíssima Trindade fez a sua morada. Além disso, quando Jesus promete aos seus amigos que o Espírito Santo os assistirá, ajudando-os a recordar cada uma das suas palavras e a compreendê-las profundamente (cf. Jo 14, 26), como não pensar em Maria, que no seu coração, templo do Espírito, meditava e interpretava fielmente tudo aquilo que o seu Filho dizia e fazia?” (Bento XVI).

– “Ó Espírito Santo, dai-me um coração grande, aberto à vossa Palavra silenciosa, mas forte e inspiradora, fechado a todas as ambições mesquinhas, alheio a qualquer desprezível competição humana, compenetrado do sentido da Santa Igreja.

Ó Espírito Santo, dai-me um coração grande, desejoso de se tornar semelhante ao coração do Senhor Jesus. Dai-me um coração grande e forte para amar a todos, para servir a todos, para sofrer por todos! Um coração grande e forte para superar todas as provações, todo o tédio, todo o cansaço, toda a desilusão, toda a ofensa! Um coração grande e forte, constante até ao sacrifício, quando este for necessário!

Ó Espírito Santo, dai-me um coração cuja felicidade seja palpitar com o coração de Cristo e cumprir humilde, fiel e firmemente a vontade do Pai” (São Paulo VI).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *