A bênção de Maria chama-se Jesus

Solenidade de Nossa Senhora de Fátima

Homilia da Missa da peregrinação de 13 de Maio de 2019

Caros irmãos e irmãs em Cristo, damos graças ao nosso Deus amoroso por nos ter aqui reunido como comunidade ou família de fé nesta Solenidade de Nossa Senhora de Fátima. O tema bíblico desta peregrinação anual é retirado da Primeira Carta de Pedro: “Sois povo de Deus”. Esta palavra realiza-se agora na nossa assembleia. Somos, de facto, povo de Deus, reunidos pelo Espírito Santo, alimentados pela Palavra do Senhor, pela Eucaristia e pela missão comum.

O Evangelho de hoje relata a reação das pessoas que viram as coisas belas e maravilhosas que Jesus realizou. Ter-se-ão, provavelmente questionado quem seriam os pais deste homem tão talentoso. E do meio da multidão uma mulher grita: “Felizes as entranhas que te trouxeram e os seios que te amamentaram!”. Por outras palavras, “como deve ser feliz e abençoada a tua mãe por ter um filho como tu”. São palavras que habitualmente se dizem quando os estudantes terminam os estudos com distinção, quando uma pessoa tem sucesso na sua profissão ou quando alguém se torna padre, irmã religiosa ou bispo. As pessoas dizem: “os teus pais têm sorte; devem estar muito orgulhosos de ti”. E, de facto, Maria foi abençoada por ser a mãe de Jesus. Toda a mãe é abençoada por trazer no seu ventre vida humana e por alimentar essa vida de forma a tornar-se num ser humano bom. A bênção de Maria chama-se Jesus.

Mas Jesus realça um outro aspecto da maternidade de Maria, que para Ele é a origem da sua verdadeira felicidade. Ele respondeu: “Felizes, antes, os que escutam a Palavra de Deus e a põem em prática”. A afirmação de Jesus é semelhante às palavras que Isabel dirigiu a Maria na visitação: “Feliz de ti que acreditaste, porque se vai cumprir tudo o que te foi dito da parte do Senhor”. Jesus e Isabel sabem que a maternidade de Maria não consiste apenas em dar à luz um filho biologicamente e cuidar bem dele. A maternidade de Maria foi um acto de fé, ao aceitar o convite de Deus para ser a mãe do Filho de Deus. Maria tornou-se mãe pela fé, do mesmo modo que José se tornou pai de Jesus pela fé e pela obediência. Maria foi a serva obediente cuja total entrega e disponibilidade a Deus fez dela a Mãe do Filho de Deus. A sua resposta ao Anjo Gabriel retrata essa bênção: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra”. Deus abençoou Maria escolhendo-a entre muitas mulheres para conceber o Filho de Deus. A resposta de fé que Maria deu à palavra de Deus, pondo em prática essa fé, tornou completa a bênção de Deus. Ela é a mãe de Jesus na fé e na carne. Maria e José educaram Jesus na observância da fé judaica, levaram-no a Jerusalém para a festa da Páscoa. Jesus estudou e meditou as Escrituras e, através delas, descobriu a sua missão. Ia à sinagoga regularmente; rezava por longas horas em lugares isolados; amava e servia os pobres, os excluídos, os estrangeiros; mostrou o rosto de Deus aos pecadores. Maria transmitiu ao seu Filho a sua fé e a sua forma de escutar e guardar a Palavra de Deus.

Maria mostra-nos o caminho para encontrar a verdadeira bênção

O nosso mundo de hoje tem imagens de uma vida “abençoada”: muito dinheiro, o último modelo de roupas, carros, perfumes e aparelhos eletrónicos, fama, influência, segurança. Estes não são desejos maus, mas Maria, nossa Mãe, faz-nos parar e fazer uma auto-avaliação. Será que a fé ainda tem um lugar importante no nosso desejo de uma vida boa? Consideramo-nos abençoados quando abdicamos dos nossos planos, como Maria e José, para que a vontade de Deus se possa concretizar? Será que os pais alimentam os seus filhos não apenas com comida, medicamentos e formação, mas também com a Palavra de Deus, os Sacramentos e o serviço aos pobres? Será que os pais assumem com seriedade a responsabilidade de educar os seus filhos na fé? Será que os pais e os mais velhos dão bom exemplo às crianças e aos jovens em como viver a fé nas decisões e acções da vida quotidiana?

Como modelo e exemplo da Igreja, a nossa Santíssima Mãe ensina toda a Igreja a encontrar o caminho da verdadeira bênção. São Paulo recorda-nos que, como Maria, fomos todos escolhidos por Deus, cada um com um chamamento único. Tal chamamento é a maneira de Deus nos abençoar. O nosso chamamento é a bênção de Deus. A fim de completar a bênção do chamamento de Deus, escutemos a palavra de Deus e ponhamos a Sua vontade em prática. Deste modo, o legado que deixaremos não será apenas sucesso, conquistas, estabilidade financeira e boa reputação, mas deixaremos como legado a pessoa de Jesus, a Sua palavra, a Sua presença, o Seu amor pelos abandonados e pelos que sofrem, a Sua solidariedade com os famintos, os sedentos, os despidos, os sem-abrigo, os estrangeiros e os prisioneiros. Mesmo enfrentando dificuldades e perseguições, seremos como a Mulher do Livro do Apocalipse, resplandecente de glória porque cuidou do seu Filho. Não há maior bênção do que ser chamado por Deus a servir Jesus, a fazer Jesus conhecido, amado e servido. Isto só acontecerá se, como Maria, estivermos atentos à Palavra de Deus, se recebermos Jesus na nossa vida e se vivermos como Jesus viveu. Á men.

Cardeal Luis Tagle, Arcebispo de Manila

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *