Nossa Senhora de Fátima. 13 de Maio

Acto de entrega a Nossa Senhora de Fátima

Bem-Aventurada Virgem de Fátima, com renovada gratidão pela tua presença materna unimos a nossa voz à de todas as gerações que te dizem bem-aventurada.

Celebramos em ti as grandes obras de Deus, que nunca se cansa de se inclinar com misericórdia sobre a humanidade, atormentada pelo mal e ferida pelo pecado, para a guiar e salvar.

Acolhe com benevolência de Mãe o acto de entrega que hoje fazemos com confiança, diante desta tua imagem a nós tão querida.

Temos a certeza que cada um de nós é precioso aos teus olhos e que nada te é desconhecido de tudo o que habita os nossos corações. Deixamo-nos alcançar pelo teu olhar dulcíssimo e recebemos a carícia confortadora do teu sorriso.

Guarda a nossa vida entre os teus braços: abençoe e fortalece qualquer desejo de bem; reacende e alimenta a fé; ampara e ilumina a esperança; suscita e anima a caridade; guia todos nós no caminho da santidade.

Ensina-nos o teu mesmo amor de predilecção pelos pequeninos e pelos pobres, pelos excluídos e sofredores, pelos pecadores e os desorientados; reúne todos sob a tua protecção e recomenda todos ao teu dilecto Filho, nosso Senhor Jesus.

Amen.

Papa Francisco, Roma, 13 de Outubro de 2013

Abrir

Nas contas que fazes, conta também Jesus

Aludíeis ao facto de ser poucos e ao risco de ceder a algum complexo de inferioridade… Há situações – e não são poucas – em que sentimos necessidade de fazer contas à vida: começamos a olhar quantos somos… e somos poucos; os meios que temos… e são poucos; depois vemos a quantidade de casas e obras a sustentar… e são demasiadas! Poderíamos continuar a enumerar as múltiplas realidades em que experimentamos a precariedade dos recursos que temos à disposição para levar por diante o mandato missionário que nos foi confiado. Quando isto acontece, parece que o saldo do balanço apareça «em vermelho», ou seja negativo.

É verdade que o Senhor nos disse: se queres construir uma torre, calcula as despesas; «não suceda que, depois de assentar os alicerces, [tu] não a possas acabar» (cf. Lc 14, 29). Mas, o «fazer as contas» pode-nos levar à tentação de olhar demasiado para nós próprios e, curvados sobre as nossas realidades, sobre as nossas misérias, podemos acabar quase como os discípulos de Emaús, proclamando o querigma com os nossos lábios enquanto o nosso coração se fecha num silêncio marcado por subtil frustração, que o impede de escutar Aquele que caminha ao nosso lado e é fonte de júbilo e alegria.

Irmãos e irmãs, «fazer as contas» é sempre necessário, quando nos pode ajudar a descobrir e aproximar de muitas vidas e situações que todos os dias sentem dificuldade em sobreviver: famílias que não conseguem continuar, pessoas idosas e sozinhas, doentes forçados a estar na cama, jovens tristes e sem futuro, pobres que nos lembram o que somos, isto é, uma Igreja de mendigos necessitados da Misericórdia do Senhor. Só é lícito «fazer as contas», se isto leva a mover-nos tornando-nos solidários, atentos, compreensivos e solícitos em abeirar-nos das fadigas e precariedade em que vivem submersos muitos dos nossos irmãos necessitados duma Unção que os levante e cure na sua esperança.

Só é lícito fazer as contas para exclamar com força e implorar com o nosso povo: «Vinde, Senhor Jesus!»

Papa Francisco, Encontro com os sacerdotes e seus familiares e religiosos na Catedral de Skopje (Macedónia do Norte), 7 de Maio de 2019

Abrir

O meu alimento é fazer a vontade de Deus

Antigamente, parecia-me que Deus daria às almas que se entregavam a Ele, as alegrias e as doçuras da oração e que só para as sentir era motivo para uma pessoa se encerrar num convento. Mas hoje compreendo que isso não é procurar a Deus, mas a si mesmo; e preparo-me, não para regalos, mas para securas e abandonos, numa palavra, preparo-me para cumprir a vontade de Deus.

Santa Teresa dos Andes

Oração

Jesus, ressuscitar é ser capaz de fazer a Tua vontade, é ter a força e a coragem para não me orientar pelos meus caprichos, desejos, sentimentos e apeteceres, mas discernir a cada passo qual é a Tua vontade e fazer todo o esforço para a pôr em prática. 

Isto é ressurreição: atirar fora com a pedra do meu sepulcro interior e sair ao encontro do irmão, da esposa, do filho, do amigo em necessidade, do pobre, do que sofre… Ajuda-me a remover as pesadas pedras do meu eu. Assim seja.

Abrir

56ª Semana de oração pelas vocações

“A coragem de arriscar pela promessa de Deus”

Oração

Deus, nosso Pai, ao enviares o Teu Filho Jesus, quiseste vir ao nosso encontro. Queremos agradecer-Te, hoje, por continuares a chamar, no barco da Igreja, pescadores para o alto mar, para a missão de chegar a todos. Concede-nos, pela graça do Baptismo, o dom da escuta da Tua voz e da resposta generosa. Desejamos abrir-nos ao “sonho maior”: discernir a vocação que nos torna servidores da alegria do Evangelho. Dá-nos a coragem de arriscar, como a jovem Maria, para sermos portadores da Tua promessa. Amen.

Abrir

Deus é amor, um amor que se dá, que chama e surpreende

Perante as experiências de fracasso, de amargura e até do facto de as coisas não resultarem como se esperava, aparece sempre uma subtil e perigosa tentação que convida ao desânimo, a desistir. É a psicologia do sepulcro que tinge tudo de resignação, fazendo-nos apegar a uma tristeza adocicada que corrói, como a traça, toda a esperança. Assim se consolida a maior ameaça que se pode enraizar numa comunidade: o pragmatismo cinzento da vida, na qual aparentemente tudo procede dentro da normalidade, mas na realidade a fé vai-se apagando e degenerando na mesquinhez (cf. Francisco, Exort. ap. Evangelii gaudium, 83) (…).

Um dos grandes desgostos e obstáculos, que hoje sentimos, situa-se não tanto ao nível da compreensão de que Deus é amor, mas no facto de termos chegado a anunciá-Lo e testemunhá-Lo duma maneira tal, que, para muitos, este não é o seu nome. Mas Deus é amor, um amor que se dá, que chama e surpreende.

Papa Francisco, Homilia, Sófia (Bulgária), 5 de Maio de 2019

Abrir

Dia da Mãe: 5 de Maio

Oração pelas Mães

Senhor, nosso Deus, obrigado pela Mãe que nos deste! A sua presença serena inspira-nos confiança; o seu serviço constante ensina-nos a amar; a sua vida simples desperta-nos para a fé; o seu olhar profundo inspira-nos bondade; a sua ternura leva-nos a acolher; o seu rosto tranquilo fala-nos do Teu rosto materno.

Neste dia a elas dedicado, o universo inteiro canta, Senhor, as maravilhas que operaste nestas criaturas tão bonitas: obra prima das Tuas mãos criadoras. Acompanha e ajuda, Senhor, as nossas Mães nas alegrias e nas lágrimas,nos trabalhos e nas preocupações, e, quando a idade avançar e as suas forças diminuírem, que redobre a nossa ternura e a nossa presença junto delas.

Senhor, nosso Deus, temos também presentes, agradecemos e rezamos pelas nossas Mães que já partiram deste mundo: que lá no Céu gozem da Tua presença junto de Maria, nossa querida Mãe.

Abrir

“Eis a tua mãe” (Jo 19, 27)

Acolher Maria na nossa vida, como mãe, é cumprir a vontade de Jesus que, na pessoa de João, no-La confiou. Não podemos acolher Jesus na nossa vida sem acolher Maria, sua e nossa Mãe. Como Seus filhos, todos nós acorremos a Ela nas nossas múltiplas necessidades.

 Santo Henrique de Ossó

Abrir