Viver em comunidade

A finalidade do Carmelo não é principalmente o nosso bem, mas a glória de MARIA. Por isso, ao deliberar o que convém fazer em determinados casos, a questão deve colocar-se do seguinte modo: de que maneira a vida da nossa comunidade resultará para maior glória e maior agrado de Maria.

Pe. Xiberta

Abrir

Perfeição

O que leva uma vida verdadeiramente mariana em breve fará grandes progressos na perfeição.

Sentença comum na Ordem no séc. XVII

Abrir

Seguimento

Pense que temos para com o Senhor e a  Nossa Mãe Santíssima uma obrigação sem limites. No Carmelo não temos o direito de ordenar as coisas segundo a nossa maneira de ver e as nossas conveniências, mas segundo o que Jesus e Maria nos deram a entender, de tal maneira que a vida do Carmelo seja um verdadeiro obséquio a Jesus e a Maria.

P. Xiberta

Abrir

Amor de Maria

A missão do carmelita é continuar neste mundo o amor que Maria devotou a Jesus na terra.

João de Hildesheim, O. Carm.

Abrir

Um “pai dos pobres”

Angelo Paoli foi um homem obediente, aberto aos caminhos de Deus e sempre disponível para o que lhe pedissem os superiores. O novo Beato viveu profundamente a devoção da cruz e difundiu-a pastoralmente ao longo de toda a sua vida. A vida de Angelo Paoli caracterizou-se pelo atendimento solícito e caridoso dos necessitados da sua época. Fê-lo com verdadeira paixão, acercando-se dos pobres como um verdadeiro contemplativo que vê neles o próprio Cristo, Cristo sofredor, pobre e crucificado. Daí a sua célebre frase que costumava repetir com verdadeira devoção: “Quem ama a Deus deve procurá-lo entre os pobres”. Soube descobrir nos mais ricos e poderosos  a pobreza que por vezes se esconde por detrás da riqueza económica. Sem julgá-los, conseguiu o seu respeito e soube ganhá-los para a causa dos pobres, envolvendo-os em projectos socais e chamando-os, de forma verdadeiramente, profética, com suavidade, à conversão e à caridade. O Papa Clemente XI que era seu amigo insistiu para que no seu túmulo se pusesse a inscrição “pai dos pobres”.  Viveu com intensidade a sua vocação carmelita e segundo os biógrafos pode ter sido a devoção mariana que o orientou para o Carmelo, a Ordem de Maria.

Fernando Millán Romeral, Encomendo-vos os meus pobres e os meus enfermos… Carta do Padre Geral à Família Carmelita.

Abrir

Que caminhos?

Que adianta dares a Deus uma coisa se Ele te pede outra? Pensa no que Deus poderá querer e fá-lo, porque assim satisfarás melhor o teu coração do que com aquilo que gostas.

São João da Cruz

Abrir

Aprender a amar

No entardecer examinar-te-ão no amor. Aprende a amar como Deus quer ser amado e não olhes à tua condição.

São João da Cruz

Abrir

A alma

                                    

– A alma enamorada é suave, mansa, humilde e paciente.

– A alma rude endurece-se no seu amor-próprio.

– Se vós, ó bom Jesus, não suavizais a alma no Vosso amor, ela continuará sempre na sua rudeza natural.

São João da Cruz

Abrir

Gestos autênticos

Uma obra feita às escondidas e sem querer que se saiba, por pequena que seja, agrada mais a Deus do que mil feitas com vontade que os homens as vejam. Quem faz as coisas por Deus no amor mais puro, pouco se importa que os homens as vejam, pois nem as faz para que o próprio Deus as conheça. E ainda que Ele nunca as viesse a conhecer, não deixaria de Lhe prestar os mesmos serviços com a mesma alegria e pureza de amor.

São João da Cruz

Abrir