Solenidade da Santíssima Trindade

Leitura do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 28,16-20)

Naquele tempo, os Onze discípulos partiram para a Galileia, para o monte que Jesus lhes indicara. Quando O viram, adoraram-n’O; mas alguns ainda duvidaram. Jesus aproximou-Se e disse-lhes: «Foi-me dada toda a autoridade no Céu e na terra. Ide, pois, e fazei discípulos de todas as nações, baptizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo e ensinando-os a cumprir tudo o que vos mandei. Eis que eu estou convosco todos os dias até à consumação do tempo».

Reflexão

A festa da Santíssima Trindade, celebrada hoje pela Igreja, recorda-nos que Deus é uma comunhão de amor, não é indiferente nem distante e sempre vela por cada um dos seus filhos. As leituras proclamadas hoje querem mostrar-nos que Deus não quer tanto revelar que Ele existe, mas sim que Ele é o “Deus connosco”, perto de nós, que nos ama, que caminha connosco, está interessado na nossa história pessoal e cuida de cada um, desde os pequeninos até aos mais necessitados. A festa da Santíssima Trindade permite aos fiéis contemplar e louvar o mistério do Deus de Jesus Cristo, que é Uno na comunhão de três Pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Ele é “Deus lá no céu” mas também “aqui em baixo na terra”. Portanto, não acreditamos numa entidade distante, numa entidade indiferente, mas, pelo contrário, no Amor que criou o universo e gerou um povo, e se fez carne, morreu e ressuscitou por nós, e como o Espírito Santo tudo transforma e leva à plenitude.

São Paulo, que primeiro experimentou essa transformação realizada pelo Deus-Amor, comunica-nos o desejo de ser chamado Pai, ou melhor, ‘Papai’. Deus é Papai. O Espírito Santo agindo em nós faz com que Jesus Cristo não seja reduzido a um personagem do passado, mas que o sintamos próximo, nosso contemporâneo, e experimentemos a alegria de sermos filhos amados por Deus.

No Evangelho, o Senhor ressuscitado promete ficar connosco para sempre. É graças a esta sua presença e à força do Espírito que podemos realizar com serenidade a missão que Ele nos confia. Qual é essa missão? Anunciar e testemunhar a todos o seu Evangelho e, assim, ampliar a comunhão com Ele e a alegria que dela deriva. Deus, caminhando connosco, enche-nos de alegria e a alegria é um pouco a primeira linguagem do cristão.

A festa da Santíssima Trindade faz-nos contemplar o mistério de um Deus que incessantemente cria, redime e santifica, sempre com amor e por amor, e a cada criatura que o acolhe faz reflectir um raio da sua beleza, bondade e verdade.

Ele sempre escolheu caminhar com a humanidade e formar um povo que é bênção para todas as nações e para todas as pessoas, nenhuma excluída. O cristão não é uma pessoa isolada, pertence a um povo, esse povo que Deus forma. Não se pode ser um cristão sem tal pertença e comunhão: somos povo, o povo de Deus. O sentido da vida é precisamente o amor infinito, o amor concreto do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Papa Francisco, Angelus (resumo), 27 de Maio de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *