3º Domingo do Advento – Ano B

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (Jo 1, 6-8.19-28)

Apareceu um homem, enviado por Deus, que se chamava João. Este vinha como testemunha, para dar testemunho da Luz e todos crerem por meio dele. Ele não era a Luz, mas vinha para dar testemunho da Luz.

Este foi o testemunho de João, quando as autoridades judaicas lhe enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para lhe perguntarem: «Tu quem és?» Então ele confessou a verdade e não a negou, afirmando: «Eu não sou o Messias.» E perguntaram-lhe: «Quem és, então? És tu Elias?» Ele disse: «Não sou.» «És tu o profeta?» Respondeu: «Não.» Disseram-lhe, por fim: «Quem és tu, para podermos dar uma resposta aos que nos enviaram? Que dizes de ti mesmo?» Ele declarou: «Eu sou a voz de quem grita no deserto: ‘Rectificai o caminho do Senhor’, como disse o profeta Isaías.»

Ora, havia enviados dos fariseus que lhe perguntaram: «Então porque baptizas, se tu não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?» João respondeu-lhes: «Eu baptizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. É aquele que vem depois de mim, a quem eu não sou digno de desatar a correia das sandálias.» Isto passou-se em Betânia, na margem além do Jordão, onde João estava a baptizar.

Reflexão

Os grandes movimentos religiosos nasceram, quase sempre, no deserto. No deserto não é possível o supérfluo. No silêncio somente se escutam as perguntas essenciais. No deserto somente sobrevive quem se alimenta do interior.

No Quarto Evangelho, João Baptista fica reduzido ao essencial. Não é o Messias, nem Elias retornado à vida, não é o Profeta. É «uma voz que grita no deserto». Não tem poder político, não possui nenhum título religioso. A sua voz não nasce de alguma estratégia seja de que natureza for. Vem do que escuta o ser humano quando mergulha no essencial.

O pressentimento de João Baptista pode ser resumido assim: «Há algo maior, mais digno e portador de esperança do que aquilo que estamos a viver. A nossa vida deve mudar radicalmente». É necessário abrirmo-nos ao Mistério do Deus vivo.

Na sociedade da abundância e do progresso o que se ouve é a publicidade do supérfluo, a divulgação do trivial, o palavrório vindo de muitos quadrantes… Contudo, do meio do deserto da vida moderna, podemos encontrar pessoas que irradiam sabedoria e dignidade, pois não vivem do supérfluo. Gente simples, excepcionalmente humana. Não pronunciam muitas palavras. É a sua própria vida que fala.

Essas pessoas convidam-nos, assim como João Baptista, a deixarmo-nos «baptizar», a submergirmos numa vida diferente, a«renascer», para não nos sentirmos produto desta sociedade nem filhos do ambiente, mas filhos queridos de Deus.

Palavra para o caminho

Sobram-nos palavras e falta-nos a “Palavra”. Transbordamos activismo e não percebemos a acção do Espírito entre nós. Somente o acolhimento interior do Espírito pode reanimar as nossas vidas e produzir entre nós “testemunhas do Deus vivo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *