9º Novena de Nossa Senhora do Carmo

Maria no Pentecostes

Flor do Carmelo, / Vide florescente, / Esplendor do Céu, / Virgem Mãe, singular. / Doce Mãe, / Mas sempre Virgem, / Aos teus filhos / Dá teus favores, / Ó Estrela do mar.

Leitura bíblica (Act 1,13-14)

Quando chegaram à cidade, subiram para a sala de cima, no lugar onde se encontravam habitualmente. Estavam lá: Pedro, João, Tiago, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelota, e Judas, filho de Tiago. E todos unidos pelo mesmo sentimento, entregavam-se assiduamente à oração, com algumas mulheres, entre as quais Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos de Jesus.

Reflexão

Diz o livro dos Actos do Apóstolos: “Todos tinham os mesmos sentimentos e eram assíduos na oração, junto com as mulheres, entre as quais Maria, a mãe de Jesus (Act 1,14). Trata-se da primeira comunidade: semente e ideal de todas as comunidades. A comunidade reunida no Cenáculo é o pequeno resto que sobrou e é também o novo começo. Ela é a “comunidade original”, da qual vai nascer a Igreja no dia de Pentecostes. Sem comunidade em oração não haveria Pentecostes! Foi a prece que fez descer em abundância o dom do Espírito (Lc 11,13).

Lucas insiste em três atitudes que marcam esta “comunidade original” e que devem marcar a vida de todas as comunidades, para que possam anunciar a Boa Nova de Deus: (1) – todos tinham os mesmos sentimentos, viviam em comunhão fraterna, (2) – eram assíduos na oração (3) – e estavam reunidos ao redor de Maria a mãe de Jesus aguardando a vinda do Espírito Santo (Act 1,14).

Peçamos a Maria que nos ajude a alcançar a perseverar na oração e no silêncio. A Regra do Carmo pede: “Permaneça cada um na sua cela ou na proximidade dela, meditando dia e noite na Lei do Senhor e vigiando em orações” (RC 10). Neste ponto, temos como mestra e guia Maria, a Mãe de Jesus: “Enquanto Jesus dizia essas coisas, uma mulher levantou a voz no meio da multidão, e disse-lhe: “Feliz o ventre que te carregou, e os seios que te amamentaram”. Jesus respondeu: “Mais felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática” (Lc 11,27-28). O que caracterizava a vida de Maria era “ouvir e praticar a Palavra de Deus”.

Os Evangelhos falam pouco da mãe de Jesus e apresentam-na como mulher silenciosa. Apenas sete palavras! É a prática do silêncio que capacita as pessoas para meditar e escutar a Palavra de Deus nos factos da vida. O que mais nos falta hoje é o silêncio. A condição para poder escutar é saber fazer silêncio, sobretudo dentro de nós.

Oração

Pai santo, nós vos suplicamos que nos assista com a sua intercessão a Santíssima Virgem Maria, mãe e rainha do Carmelo, para que, guiados pelo seu exemplo e protecção, cheguemos ao cimo do monte da perfeição, que é Cristo, que vive e reina pelos séculos dos séculos. Amen.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *