17º Domingo do Tempo Comum – Ano B

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (Jo 6, 1-15) 

Depois disto, Jesus foi para a outra margem do lago da Galileia, ou de Tiberíades. Seguia-o uma grande multidão, porque presenciavam os sinais miraculosos que realizava em favor dos doentes. Jesus subiu ao monte e sentou-se ali com os seus discípulos. Estava a aproximar-se a Páscoa, a festa dos judeus. Erguendo o olhar e reparando que uma grande multidão viera ter com Ele, Jesus disse então a Filipe: «Onde havemos de comprar pão para esta gente comer?» Dizia isto para o pôr à prova, pois Ele bem sabia o que ia fazer. Filipe respondeu-lhe: «Duzentos denários de pão não chegam para cada um comer um bocadinho.» Disse-lhe um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro: «Há aqui um rapazito que tem cinco pães de cevada e dois peixes. Mas que é isso para tanta gente?» Jesus disse: «Fazei sentar as pessoas.» Ora, havia muita erva no local. Os homens sentaram-se, pois, em número de uns cinco mil. Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os pelos que estavam sentados, tal como os peixes, e eles comeram quanto quiseram. Quando se saciaram, disse aos seus discípulos: «Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca». Recolheram-nos, então, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada que sobejaram aos que tinham estado a comer. Aquela gente, ao ver o sinal milagroso que Jesus tinha feito, dizia: «Este é realmente o Profeta que devia vir ao mundo!» Por isso, Jesus, sabendo que viriam arrebatá-lo para o fazerem rei, retirou-se de novo, sozinho, para o monte.

Reflexão

Este acontecimento relatado pelo Evangelho deste Domingo ficou fortemente gravado na memória das primeiras comunidades cristãs de modo que todos os Evangelhos o relatam. O conteúdo do relato é de uma grande riqueza. Seguindo o seu hábito, o Evangelho de João não lhe chama «milagre», mas «sinal». Com isso convida-nos a não ficarmos nos actos que se narram, mas a descobrir desde a fé um sentido mais profundo. Isto é, apela para que não fiquemos na superfície do que aparece e vemos mas avancemos para a profundidade do significado do acontecimento.

Jesus ocupa o lugar central. Ninguém pede que intervenha. É ele mesmo que intui a fome daquela gente e coloca a necessidade de a alimentar. É comovedor saber que Jesus não só alimentava as pessoas com a Boa Nova de Deus, mas que preocupava-se também com a fome das pessoas.

Como alimentar no meio do campo uma multidão? Os discípulos não encontram nenhuma solução. Filipe diz que não se pode pensar em comprar pão, pois não têm dinheiro. André pensa que se poderia partilhar o que há, mas apenas um rapaz tem cinco pães e um par de peixes. Que é isso para tantos?

Para Jesus é o suficiente. Esse jovem sem nome nem rosto, vai tornar possível o que parece impossível. A sua disponibilidade para partilhar tudo o que tem é o caminho para alimentar aquelas pessoas. Jesus fará o resto. Toma nas suas mãos os pães do jovem, dá graças a Deus e começa a «distribuí-los» por todos.

O Papa Francisco, comentando este trecho evangélico, realça três mensagens: A primeira é a compaixão. Diante da multidão que o segue e, por assim dizer, não o deixa em paz, Jesus reage com um sentimento de compaixão, isto é, identifica-se com o sofrimento alheio. A segunda é a partilha. As reacções dos discípulos e de Jesus diante daquelas pessoas cansadas e famintas são diferentes. Os discípulos pensam que é melhor despedir a multidão, para que possa ir comprar algo para comer. Jesus, ao contrário, diz: “Dai-lhes vós mesmos de comer!”. E a terceira mensagem é o prodígio dos pães que prenuncia a Eucaristia. Vê-se isto no gesto de Jesus, que «abençoou» antes de partir os pães e de os distribuir à multidão. É o mesmo que fará Jesus na última Ceia, quando instituirá o memorial perpétuo do seu Sacrifício redentor. Na Eucaristia, Jesus não oferece um pão, mas o pão de vida eterna, doa-se a si mesmo, oferecendo-se ao Pai por amor a nós.

Palavra para o caminho

Podemos pensar que este milagre só Deus o pode realizar, com um poder especial. Mas nós também o “podemos fazer”. O que está em jogo não é a multiplicação do pão, mas a multiplicação do amor, que por ser turno, multiplica o pão, a alegria, a saciedade, a paz… Só o amor multiplica e o amor multiplicado é a equação matemática do Evangelho.

Abrir

Beato Tito Brandsma, O. Carm. – 27 de Julho

Hoje, 27 de Julho, a Ordem do Carmo celebra a “memória litúrgica” do Beato Tito Brandsma, O. Carm. O Padre Tito Brandsma foi um carmelita holandês que morreu no Campo de Concen­tração de Dachau, em Julho de 1942. Foi Beatificado pelo Papa João Paulo II em 3 de Novembro de 1985. No passado dia 6 de Fevereiro, foram abertos em Roma – na Congregação para a Causa dos Santos – os documentos relativos ao Processo da Canonização deste ilustre carmelita.

No âmbito do “32º Encontro da Família Carmelita de Portugal”, no passado dia 25 de Fevereiro, teve lugar na “Casa São Nuno”, em Fátima, o lançamento da obra “Tito Brandsma”, com uma conferên­cia pelo seu autor, Padre Fernando Millán Romeral, Superior Ge­ral da Ordem do Carmo. O Pe. Fernando Millán Romeral é, desde Setembro de 2007, Prior Geral da Ordem do Carmo, reeleito para mais um mandato, em Setembro de 2013. A imagem que acompanha esta breve nota refere-se à capa do livro.

O livro pode ser pedido a: Casa São Nuno – Av.ª Beato Nuno, 271 – 2495-304 FÁTIMA – Telef.: 249 530 230 – mail: csn@casasaonuno.com

Abrir

“Família Carmelita”, nº 80, Julho-Outubro, 2018

O mês de Julho é, para o Carmelo, um mês fortemente mariano, sobretudo pela celebração da Solenidade de Nossa Senhora do Carmo (16 de Julho). Desde há muito que os responsáveis pela publicação da revista “Família Carmelita” tentam que nesta altura seja publicado um número desta revista da Ordem do Carmo em Portugal com a finalidade de também contribuir para que a nossa Família se prepare bem para a celebração da festividade principal da Ordem Carmelita.

Estão de parabéns a equipa responsável por nos brindar mais um número de excelente qualidade assim como a tipografia do “Diário do Minho” pelo qualidade do seu trabalho. Mais importante nesta nota do que falar sobre o conteúdo deste número, o que numa breve nota não é possível fazê-lo longamente, é desejar que este número de “Família Carmelita” seja bem acolhido por todos aqueles que o vão receber e ler e façam eco testemunhante correctivo e divulgante.

Elencamos a seguir os títulos dos artigos: Nota de abertura (Pedro Monteiro, O. Carm.); O amor solidário de Jesus para com os misericordiosos (Carlos Mesters, O. Carm.); Mensagem Final do Congresso Internacional Litúrgico Carmelita; Ser Mãe é Aceitar. Tudo (José Luís Nunes Martins); “A Missa é o memorial do Mistério pascal de Cristo” (Papa Francisco); Maria, companheira de caminho na fé (Tiago Casaleiro); Sofrimento, um hóspede incómodo (Vitor Monteiro); Da “Senhora do Monte Carmelo” à “Senhora do Escapulário” Origem e evolução da invocação “Nossa Senhora do Carmo” – I (Manuel Quintãos); Nossa Senhora do Carmo e o escapulário; Rezar com e pela canonização do Beato Tito Brandsma, O. Carm. (Fr. Manuel Castro, O. Carm.); Homenagem ao Pe. Olavo Dijkstra, O. Carm. (Pe. Ricardo Rainho, O. Carm.); Eutanásia, morte digna? (Padre Vasco Pinto de Magalhães, sj); Ó meu Deus, Trindade que eu adoro (Santa Isabel da Trindade, OCD).

Termino esta breve nota com uma citação do Pe. António Vieira que o Director da “Família Carmelita”, Fr. Pedro Monteiro, O. Carm., cita na “Nota de abertura”: «E se não perguntemos a todos os estados do mesmo mundo, e mais aos que mais padecem as suas misérias, que todos nos dirão este para quê. Perguntai aos enfermos para que nasce esta celestial Menina: dir-vos-ão que nasce para Senhora da Saúde; perguntai aos pobres: dirão que nasce para Senhora dos Remédios; perguntai aos desamparados: dirão que nasce para Senhora do Amparo; perguntai aos desconsolados: dirão que nasce para Senhora da Consolação; perguntai aos tristes: dirão que nasce para Senhora dos Prazeres; perguntai aos desesperados, dirão que nasce para Senhora da Esperança. Os cegos dirão que nasce para Senhora da Luz, os discordes para Senhora da Paz, os desencaminhados para Senhora da Guia, os cativos para Senhora do Livramento, os cercados para Senhora do Socorro, os quase vencidos para Senhora da Vitória. Dirão os pleiteantes que nasce para Senhora do Bom Despacho, os navegantes para Senhora da Boa Viagem, os temerosos da sua fortuna para Senhora do Bom Sucesso, os desconfiados da vida para Senhora da Boa Morte, os pecadores todos para Senhora da Graça, e todos os seus devotos para Senhora da Glória. E se todas estas vozes se uniram em uma só voz, todas estas perguntas em uma só pergunta, e todas estas respostas em uma só resposta, ou, mais abreviadamente, todos estes nomes em um só nome, dirão que nasce Maria para ser Maria, e para ser Mãe de Jesus: Maria, de qua natus est Jesus».

A revista pode ser pedida a: Centro de Estudos da Ordem do Carmo – Rua Santa Isabel, 128-130 – 1250–208 LISBOA – email: familiacarmelita.revista@gmail.com – Telef.: 213875179.

Fr. Manuel Castro, O. Carm.

Abrir

Frases sobre a Eucaristia

– A Eucaristia é o supremo agradecimento ao Pai, que nos amou tanto a ponto de dar-nos o seu Filho por amor (Papa Francisco).

– Não comungar seria o maior desprezo a Jesus que se sente “doente de amor” (São João Crisóstomo).

– A Eucaristia constitui uma espécie de «antídoto», que age nas mentes e nos corações dos crentes e semeia continuamente neles a lógica da comunhão, do serviço, da partilha, em síntese, a lógica do Evangelho (Bento XVI).

– A comunhão destrói a tentação do demónio (São Tomás de Aquino).

– A Eucaristia é como o coração pulsante que dá vida a todo o corpo místico da Igreja (Bento XVI).

– A Eucaristia é a fonte de que haure vigor sempre novo a comunhão entre os membros do Corpo místico de Cristo (São João Paulo II).

– O que é triste é que nós não recorremos a este alimento divino (a Eucaristia) para atravessar o deserto desta vida (São João Maria Vianney).

– Se vimos à Eucaristia, não pratiquemos nenhuma acção que contradiga a Eucaristia, não façamos sofrer o nosso irmão (São João Crisóstomo).

Abrir

O carisma carmelita e os jovens

Gostaria de destacar quanto o nosso carisma é adaptado aos jovens, e não somente porque valores como a relação pessoal com Deus, a profundidade espiritual, a sensibilidade, a beleza e a poesia, que sempre acompanharam o Carmelo, são valores que podem entusiasmar os nossos jovens, mas também porque o nosso carisma tem hoje algo de “contra cultural”. Numa sociedade que se caracteriza e promove o imediato, o superficial, o bombardeamento de informação desnecessária, as relações virtuais, o provisório… um apelo à vida interior, à profundidade, ao encontro pessoal com o Senhor, à redescoberta do tempo como kairós, à oração e à contemplação, pode ser revolucionário. Proponhamos isto aos jovens que encontramos no nosso caminho, sem complexos, sem nos sentirmos superiores, não como uma imposição arrogante nem como uma doutrinação, mas como uma oferta simples e afectuosa.

Fernando Millán Romeral, O. Carm., Prior Geral da Ordem do Carmo

Abrir

Solenidade de Nossa Senhora do Carmo – 16 de Julho

«A devoção a Maria é uma das flores mais belas do jardim do Carmelo. Diria que é como um girassol. É uma flor que se eleva sobre todas as outras flores. Nascida sobre um grande tronco, cheio de folhas grandes, a flor eleva-se para além da folhagem verde e tem a característica de “voltar-se” para o Sol. Além disso é uma imagem do próprio Sol… Maria era uma Flor assim. Também nós, como flores da sua semente, podemos crescer e florescer diante do Sol que se infundiu nela e também nos quer transmitir os raios da sua luz e do seu calor» (Beato Tito Brandsma).

Nossa Senhora do Carmo e o Escapulário

Quando na Idade Média muitos peregrinos viajavam da Europa para a Terra Santa, alguns ficaram no Monte Carmelo e aí, no meio das suas celas (covas), construíram uma capela dedicada a Maria, a “Senhora do lugar”. Nela se reuniam diariamente para rezar e celebrar a Eucaristia. Assim nasceram os carmelitas.

Quando foram expulsos e alguns mortos, no século XIII, os carmelitas tiveram muitas dificuldades em serem reconhecidos na Europa como uma nova Ordem religiosa. Contaram sempre com a protecção de Maria, seu modelo de seguimento de Jesus Cristo e acabaram incluídos entre os frades Mendicantes, com uma espiritualidade e Regra próprias.

A sua vida e confiança na protecção de Maria fascinou muita gente. Para associar os leigos à sua espiritualidade, os carmelitas impuseram o hábito a muitos deles e criaram uma miniatura do avental desse hábito, o Escapulário, símbolo da protecção de Maria e da pertença espiritual à Ordem do Carmo.

O Escapulário tornou-se uma das devoções populares mais significativas na vida da Igreja. Quem recebe o Escapulário lembra-se sempre de imitar Maria, que escutava a Palavra de Deus, a cumpria e guardava no seu coração, seguindo Jesus Cristo até à Cruz. Quem o traz consigo confia na protecção de Nossa Senhora até à morte. O Escapulário do Carmo é um sinal do amor materno de Maria e a Maria, do modelo mariano de ser cristão, que pede sempre uma resposta de amor a Deus e ao próximo.

Usando o Escapulário, o devoto renova o seu compromisso baptismal de se revestir de Nosso Senhor Jesus Cristo, imitando e confiando em Nossa Senhora.

“Flor do Carmelo, vide florescente, esplendor do Céu, Virgem Mãe, singular. Doce Mãe, mas sempre Virgem, aos teus filhos dá teus favores, ó estrela do mar” (São Simão Stock).

Oração

Venha em nossa ajuda, Senhor, a poderosa intercessão da bem-aventurada Virgem Maria, Mãe e Rainha do Carmelo, para que, protegidos pelo seu auxílio, cheguemos ao verdadeiro monte da salvação, Jesus Cristo Nosso Senhor. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo. Amen.

Abrir

9º Dia da Novena de Nossa Senhora do Carmo 2018

São José, esposo de Maria, a mãe de Jesus

Oração introdutória

Deus, que por vossa inefável Providência vos dignastes eleger o bem-aventurado São José para Esposo de vossa Mãe Santíssima concedei-nos, nós vos pedimos, que mereçamos ter como intercessor no céu aquele a quem veneramos na terra como nosso Protector. Por Nosso Senhor Jesus Cristo vosso Filho na unidade do Espírito Santo. Amen.

A todos quisera persuadir que fossem devotos deste glorioso Santo (São José), pela grande experiência que tenho de quantos bens alcança de Deus (Santa Teresa de Jesus).

Meditação

O evangelho de Lucas fala-nos de Maria. O evangelho de Mateus fala-nos de José. O anjo esclarece Maria e diz-lhe: “O Espírito Santo descerá sobre ti!” (Lc 1,35). Esclarecida pelo anjo, ela se oferece e faz-se empregada de Deus: “Eis aqui a serva do Senhor!” (Lc 1,38). Maria sabe que isto vai trazer muitos problemas para a sua vida. Como explicar a gravidez ao povo de Nazaré? Ninguém iria acreditar nela. Como explicá-la a José, seu prometido esposo? Ela correria o perigo de ser apedrejada. Apesar de todas estas dificuldades, Maria entrega-se à acção da Palavra de Deus: “Faça-se em mim segundo a tua palavra!” (Lc 1,38). O que conta não é o bem-estar dela mesma, mas sim ela ser um instrumento eficaz na realização do plano de Deus.

O evangelho de Mateus diz que José era justo (Mt 1,19). Mas era uma justiça diferente. Se José tivesse sido justo conforme a justiça dos fariseus da época, ele deveria ter denunciado Maria, pois a gravidez tinha acontecido antes de ela conviver com José. Maria teria sido apedrejada e, com ela, teria sido morto Jesus, o Messias. Mas a justiça de José era maior. Foi exactamente por ter esta outra justiça maior que José não obedeceu àquelas leis e salvou a vida tanto de Maria como de Jesus. Mais tarde, Jesus irá dizer: “Se a vossa justiça não for maior do que a dos escribas e fariseus, não podereis entrar no Reino dos céus” (Mt 5,20).

Em sonhos, José foi “esclarecido pelo anjo” (Mt 1,10), que lhe disse para aceitar Maria como esposa em sua casa e dar ao menino o nome de Jesus” (Mt 1,21). Esclarecido pelo anjo, José consegue descobrir a acção de Deus, onde, conforme a opinião da época, só parecia haver desvio e pecado.

Anjo é o mesmo que mensageiro. Ele traz uma mensagem e ajuda a perceber a acção de Deus na vida. Hoje, há muitos anjos e anjas que nos orientam na vida. Às vezes, eles actuam nos sonhos, outras vezes nas reuniões, nas conversas, nos Círculos Bíblicos, nos factos, etc… Tantos anjos! Tantas anjas!

Conclusão da meditação

Não sei verdadeiramente como se pode pensar na Rainha dos Anjos, no tempo em que passou com o Menino Jesus, sem dar graças a São José, pelo auxílio que lhes prestou (Santa Teresa de Jesus).

Oração a São José

São José, homem do silêncio, da oração e da escuta da Palavra de Deus; homem do trabalho e da família; homem simples e humilde. Pedimos-te por todas as nossas famílias e, especialmente, por todos os Pais. Ajuda-os a imitar-Te na escuta e na obediência a Deus. Ampara e assiste os que mais sofrem. Protege todos aqueles que não têm trabalho e que não conseguem sustentar dignamente os seus lares. Àqueles que abandonam os filhos e a família, seguindo caminhos de destruição e vício, ilumina-os para que possam voltar ao aconchego do lar assumindo dignamente a sua paternidade. A todos os que sofrem por causa dos filhos perdidos, em caminhos sem sentido e de morte, dá-lhes a força do Pai Pródigo que aguarda e espera o seu regresso. Ampara e socorre todas as famílias, para que em todas haja trabalho digno, casa e pão, harmonia e educação, alegria e paz, a exemplo da tua família de Nazaré. 

Amável São José, que nunca em vão invocamos, tu cujo crédito é tão poderoso junto de Deus que até se pode dizer: «No Céu, São José manda mais do que suplica», reza por nós a Jesus, reza por nós a Maria. Amen.

Abrir

8º Dia da Novena de Nossa Senhora do Carmo 2018

Maria vela no céu por nós, seus filhos, e espera-nos

Oração preparatória

Deus nosso Pai, olhai com benevolência para aqueles que se revestem com o Escapulário do Carmo. Fazei que, deixando-se amar pela Virgem Maria, Mãe do vosso Filho e Mãe do Carmelo, sejam conformes à imagem de Jesus Cristo. E depois de terem percorrido, livres de todos os perigos, o caminho da vida, possam entrar na glória da vossa Casa. Por Cristo, Senhor nosso. Amen.

Jaculatória

Gloriosa Virgem Santa, / Do Carmelo sois a flor, / Sois a filha predilecta, / De Deus, nosso Criador. Ave Maria…

Meditação

Maria quer ensinar-nos que a fé nos conduz sempre ao Céu. Fomos criados para Deus, que é a nossa felicidade, e é a fé que nos abre as portas do Céu. Na fé da Igreja, acreditamos que Maria está no Céu em corpo e alma. Temos uma Mãe que vive no coração da Santíssima Trindade, na alegria de Jesus e de todos os Santos. Deus está próximo de todos nós; e Maria, unida a Deus, participa da presença de Deus, encontra-se extremamente próxima de nós. Pede-nos que abramos o nosso coração a Deus como ela o abriu, que lhe demos todo o espaço. O Senhor virá então, e com ele virá também Maria, que vive intimamente unida a ele. Acolhamos a Sua materna presença. Assim o Céu e a terra ficam para sempre unidos no coração do homem. Maria vive imersa nesta grande luz e neste amor, que é Deus. Por isso, com os olhos transfigurados, Maria pode velar por cada um de nós, seus filhos, dando-nos todas as graças que necessitamos.

“Meu Senhor e meu Esposo, finalmente chegou a hora tão desejada. Chegou, por fim, o momento de nos vermos, ó meu Amado e Senhor meu. Já é a hora de caminhar. Partamos, pois, em tão feliz ocasião. Seja feita a Vossa vontade. Eis que chegou a hora de eu sair deste desterro e de a minha alma Vos poder gozar plenamente, a Vós, a Quem tanto desejei” (Santa Teresa de Jesus).

Conclusão da meditação

“Flor do Carmelo, vide florescente, esplendor do Céu, Virgem Mãe, singular. Doce Mãe, mas sempre Virgem, aos teus filhos dá teus favores, ó estrela do mar” (São Simão Stock).

Oração conclusiva

Virgem Maria, toda revestida de beleza e de luz, olhai por cada um de nós, guiai os nossos passos até Jesus, uni-nos a Ele, e introduzi-nos, quando chegar a tarde da nossa vida, na comunhão plena de amor do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amen.

Abrir

Santa Teresa de Jesus dos Andes, OCD – 13 de Julho

Joana Fernandéz Solar nasceu em Santiago do Chile no dia 13 de Julho de 1900 numa família católica e aristocrática. “Jesus não quis que eu nascesse como Ele, pobre. E nasci no meio das riquezas, mimada por todos” – escreveu no seu diário. Morreu aos 19 anos. Tinha apenas 18 anos quando ingressou num austero convento carmelita, no qual tomou o nome de Irmã Teresa de Jesus.

Os seus biógrafos coincidem em ressaltar que ela era sempre o centro das atenções onde estivesse, pela sua amabilidade, graça e simpatia.

Desde a sua adolescência, sentiu-se irresistivelmente atraída por Cristo. No dia 7 de Maio de 1919 ingressou no mosteiro das Carmelitas Descalças dos «Andes» com o nome de Teresa de Jesus. Entregou a sua alma a Deus no dia 12 de Abril do ano seguinte, depois de fazer a sua profissão religiosa «in articulo mortis». Foi beatificada por João Paulo II em Santiago do Chile no dia 3 de Abril de 1987 e canonizada em Roma no dia 21 de Março de 1993. Proposta como modelo para os jovens, é a primeira flor de santidade da nação chilena e do Carmelo teresiano da América Latina.

Só Jesus é

Só Jesus é formoso. Só Ele me pode alegrar. Chamo-O, busco-O dentro da minha alma. Quero estar sedenta de amor para que outras almas possuam esse amor. Que eu morra para as criaturas e para mim mesma, para que Ele viva em mim. Haverá algo de bom, belo, verdadeiro que possamos imaginar que não esteja em Jesus? Sabedoria para a qual não há nada secreto. Poder para o qual nada existe impossível. Justiça que O faz encarnar para satisfazer pelo pecado. Providência que sempre vela e sustenta. Misericórdia que nunca deixa de perdoar. Bondade que esquece as ofensas das suas criaturas. Amor que reúne todas as ternuras de uma mãe, do irmão, do esposo e que, fazendo-O sair do abismo da sua grandeza, O liga estreitamente às suas criaturas. Beleza que extasia… Que descobres dele no Evangelho, senão um coração bom, doce, terno, compassivo, enfim, o coração de um Deus? Ele é a minha riqueza infinita, a minha felicidade, o meu Céu.

Santa Teresa de Jesus dos Andes, OCD

Abrir

7º Dia da Novena de Nossa Senhora do Carmo 2018

Maria deixa-se modelar por Jesus e

alarga a sua maternidade aos irmãos do seu Filho

Oração inicial

Venha em nossa ajuda, Senhor, a poderosa intercessão da bem-aventurada Virgem Maria, Mãe e Rainha do Carmelo, para que, protegidos pelo seu auxílio, cheguemos ao verdadeiro monte da salvação, Jesus Cristo Nosso Senhor. Ele que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo. Amen.

Jaculatória

Flor do Carmelo, vide florescente, esplendor do Céu, Virgem Mãe, singular. Doce Mãe, mas sempre Virgem, aos teus filhos dá teus favores, ó estrela do mar. Ave Maria

Meditação

Maria foi aprendendo, na interioridade e no silêncio do seu coração, onde ponderava e conservava todas as coisas, de como Jesus, Seu Filho, a foi convidando a passar de mãe a discípula e este caminho não foi fácil para ela. 

Maria entra no seu coração e começa a viver, a partir da contemplação do seu Filho Jesus, acabado de nascer, o seu crescimento interior. Tudo lhe escapa naquele momento: “O céu, a terra e pessoas que Ela não pensou convidar, chegam e alegram-se com o Filho e não com a Mãe, como é costume na altura de um nascimento. Jesus é o centro das atenções, não Maria. Maria entra então no Seu coração e compreende: só Jesus conta. Deve aprender a fazer tudo por Jesus, até a retirar-se para ficar escondida (Cardeal Carlo Martini).

Enquanto Jesus falava, uma mulher levantou a voz no meio da multidão e disse-lhe: “Feliz o ventre que te trouxe e os seios que te amamentaram”. Jesus respondeu: “Muito mais felizes são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática” (Lc 11, 27-28). Para que fosse não só Mãe de Jesus mas também Mãe dos irmãos de Jesus, Maria deveria tornar-se discípula do seu Filho, a mais eminente e modelo para todos os cristãos. A sua vocação maternal não deveria restringir-se somente à Cabeça (Jesus) mas também ao Corpo, isto é, ao Cristo total.

Maria é para o Carmelita um espelho no qual vê reflectido o que significa em concreto “viver em obséquio de Jesus Cristo e servi-Lo fielmente com coração puro e recta consciência.” (Regra carmelita, 2).

Conclusão da meditação

Dizei lábios meus, palavras benditas, em louvor da Virgem, Mãe dos carmelitas. Senhora do Carmo, vinde em meu favor, o inimigo afastai com o vosso valor.

Oração conclusiva

Maria, Rainha e Mãe do Carmelo, que velais pela Santa Igreja com maternal amor, abençoai o Santo Padre, os nossos bispos, os sacerdotes, os religiosos e todo o povo cristão. Abençoai a cada um de nós que desejamos vossa protecção agora e na hora de nossa morte.

Abrir